O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 20 de fevereiro de 2010

porque as pedras também choram

e rolam até ao mar...

11 comentários:

frAgMentus disse...

compreendendo agora o sentido mais intrínseco da ´revolução´ em Baal, pelo que hj li algures por aqui.

um sorriso fraterno

João de Castro Nunes disse...

"intrínseco" ou "intrínsico"? E se fosse... "intrinsêco"? JCN

João de Castro Nunes disse...

OUVIR CHORAR A PEDRA

(Ode pascoaliana)

Ouvir chorar a pedra é como ouvir
cantar estrelas pela noite além:
apenas o Poeta e mais ninguém
possui a faculdade de as sentir.

Só ele escuta o choro do granito
baixinho no deserto a desfazer-se em grãos de areia até desvanecer-se
e regressar em névoa...ao infinito.

Desde o mais trivial ao mais egrégio,
Deus ao Poeta deu o privilégio
de ouvir o pó da terra a soluçar.

Tudo possui, no fundo, sentimento,
tudo alma encerra, sem se exceptuar
o duro e rude xisto pardacento!

JOÃO DE CASTRO NUNES

João de Castro Nunes disse...

Por ter saído desordenada, repito a segunda quadra do anterior poema, a saber:

Só ele escuta o choro do granito
baixinho no deserto a desfazer-se
em grãos de areia até desvanecer-se
e regressar em névoa...ao infinito.

JCN

platero disse...

Fragmentus

boa reflexão, beijinho

João de Castro Nunes disse...

Onde fica... algures? Há comboio para lá? JCN

Fausta disse...

Fica para lá. Não há comboio. Pés em sangue, roupa rasgada e coração aberto. Poesia.

João de Castro Nunes disse...

Tudo... muito vago! JCN

João de Castro Nunes disse...

Que pena deitar pérolas... aos jacarés! JCN

João de Castro Nunes disse...

Que pena deitar pérolas... aos jacarés! JCN

Julio Teixeira disse...

Deixar a natureza assim é bem mais bonita do que a transformar em lágrimas.

Bela foto. Só foto sem culpar ninguém pela chuva, pelo vento, pelo sol abrasador, nem culpar os ricos pela pobreza dos pobres...

Que feio, irmãos contra irmãos! Julgando e jogando uns contra outros!
A pobreza de pão é, às vezes, um refexo da pobreza de espírito.
Portanto pobre de espírito é pobre de Deus.
Ser rico também não é defeito.
Defeito mesmo é a pobreza de alma.

Que apega as pessoas ao fútil e passageiro objeto da impermanência.

Mas ao pobre cabe o privilégio de cultivar a compreensão e a suprema virtude da humildade.

Quando porém se revolta, transforma um principio universal em ódio e cobiça.