O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 7 de fevereiro de 2010

PENSÃO COMPLETA

o estupor do gato
não só trata
de vir desfrutar as gatas

como ainda por cima
tem a lata
de cobrar
almoço

8 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Por que não deita pimenta
ou malagueta no prato
e desta maneira afugenta
o atrevido do gato?!

JCN

platero disse...

Obrigado pela recêta
-só me falta a malagueta

transtagano abraço

Julio Teixeira disse...

Kkkkkkkkkk que atrevido,
esse gato! kkkkkkkkkk (riso)

João de Castro Nunes disse...

Se por acaso comigo
esse caso acontecesse,
eu sei bem qual o castigo
que esse bichano merece.

Quando viesse à merenda,
levaria tal lição
que lhe ficava de emenda
o sabor da refeição!

JCN

Harkshis disse...

pobre bicho
enrolado num capacho
caiu da janela abaixo
foi no caixote do lixo

João de Castro Nunes disse...

~
Sinto muito o fim do gato
que desta forma acabado
teve enterro caricato
numa lixeira enterrado!

JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Para pôr termo à história
do lambareiro do gato,
aqui fica esta memória
que escrevi de imediato.
JCN