O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O dia acabou na noite
Vai dormir no mar
até amanhã de manhã

8 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Onde é que o dia havia de acabar... senão na noite, pá?! Deixa-te de parvoíces e deita-te a dormir até a manhã... amanhecer, digo, anoitecer! JCN

Maria Sarmento disse...

Jota Cê,

Não posso deixar de me rir, sempre que leio os seus comentários.
ah!ah!aah!!

E isto nada tem a ver com a qualidade ou "evidência" do que aqui é dito por "Paladar da loucura".

Magno Jardim disse...

Abafado por marés
em cima de ondas a luzir.

João de Castro Nunes disse...

Ó pá! não assanhes as serpentes com as tuas sandices! Pega na vassoura e limpa as teias de aranha que tens na cacimónia! Afina o cavaquinho! JCN

Magno Jardim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Magno Jardim disse...

Teias
Sereno
raio de sol
Uma leve brisa.

Preliing ;)

paladar da loucura disse...

querido JC
já estava a dormir antes do teu conselho, aliás excelente! Devo ter-te ouvido antes de escreveres.
mas amigo querido, não dormiste bem, foi? se a manhã não amanhece e anoitece, onde ela havia de acabar?
vamos lá ver se sintonizamos os dois.
assim estaremos os dois acordados e tão bem dispostos que só farás sonetos de amor. e eu vou poder dizer quantas vezes me apetecer que o dia acaba na noite e amanhece no mar sem que fiques assim irritado. Da minha varanda é assim que eu te vejp: sempre a sorrir JCN.:)

João de Castro Nunes disse...

Linda prosa... que até parece verso! Rendo-me à graça do talento e da sensibilidade. Que diafaneidade, diria o Eça! Aprende, Fausta! JCN