O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 6 de fevereiro de 2010

NATUREZA


TENTATIVA DE IMITAÇÃO DE GOGH

19 comentários:

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rui Miguel Félix disse...

Superadíssima Platero!

Lindas cores amigo.

Abraço!

saudadesdofuturo disse...

Muito, muito belo, este "nosso" Alentejo.

Um abraço, meu querido!

platero disse...

Não tarda vão chegar o roxo e o amarelo a sério
Extensões a perder de vista

João de Castro Nunes disse...

Gogh... não se imita: ou é ou não é. JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Contenha-se, Fausta! Não diga tanto disparate! Deixe isso para o Feitais. Afine o cavaquinho! JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Que sabedoria, carago! Mal empregada para encantar serpentes! JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
baal disse...

és tão chatinha fausta. não metes medo a ninguém. é só ternura.

Harkshis disse...

éter

João de Castro Nunes disse...

Pão com mel! JCN