O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

NÃO HÁ SÓ GAIVOTAS EM TERRA (para Baal, com simpatia)

Não sei se Sócrates tem ou não razão

Se em vez de Sócrates fossem Portas
ou Louçã
ou Jerónimo de Sousa
seria a situação significativamente diferente em Portugal?

sei é que alguma coisa
por aqui vai mal
:
em menos de dois dias
cinco pescadores
deixam de regressar ao LAR

para além
das adversidades climatéricas
da braveza indómita do mar

não acham que dá
para pensar?
:
em menos de dois dias
cinco pescadores
deixam de regressar ao Lar

36 comentários:

baal disse...

é verdadae mas como dizia o josé afonso. 'vejam bem aquele homem, a fraca figura, desbarvando os caminhos do bem.e não há quem lhe possa valer.
abraço a platero.
e se houver uma uma estátua de febre a arder.

eu em setúbal ia ver o josé afonso, escolhia sempre a minha namorada mais bonita para ver se ele reparava. e a resposta era sempre és o filho do pedreiro? do Raul? és comunista?
à luta, morremos de pé.

João de Castro Nunes disse...

Quem te garante, pá, que vais morrer de pé? És um ingénuo, pá! Olha o Josif... que começou por querer ser padre... e acabou em comissário supremos dos bolcheviques, matando russos e judeus à farta! Luta contra os teus fantasmas, pá! JCN

João de Castro Nunes disse...

O DESCALABRO!

Um século depois do seu começo
o regime político que temos
o cúmulo atingiu do mau sucesso
nos dias conturbados que vivemos!

Tudo são fraudes, nada funciona
desde a justiça à banca, para não
se referir sequer a educação
que, de hora a hora, mais se desmorona.

Uma tristeza... aquele parlamento
que mais parece um bando de garotos
primando por seu vil comportamento!

Deus nos acuda! Deus nos deite a mão
e caso escute e ouça os nossos votos
acabe por ter dó... desta nação!

JIÃO DE CASTRO NUNES

Harkshis disse...

à luz do meu facho

como te atreves a dizer-te poeta e, estupidamente, gorgear como um pardal? hoje é preciso com manopla quebrar o crânio do mundo!

eh, tu!
ó céu!
tira o chapéu!
que vou a passar eu!

platero disse...

Arkshis
=
JCN
=
Fausta
=
Jardim não sei quantos
=
........
=

João de Castro Nunes disse...

Ó HARKSHIS, não quererias dizer... manápula? Olha lá: se passas debaixo da minha janela ou à minha porta, não te tiro o chapéu; atiro-te, mas é, um balde de água fria... para te arrefecer os miolos. Podes escrever! JCN

João de Castro Nunes disse...

Que grande caldeirada... vossemecê arranjou, meu caro Platero! Não me vejo messa companhia. Tenha lá paciência! O respeitinho... não faz mal a ninguém. JCN

Fausta disse...

Eu não sou igual.
Eu sou eu.
Não sou cozinheira química, nem traficante de sonetos e muito menos tenho uma loja de gelados.
Eu nunca digo o que penso e nunca penso o que digo.

Mistério é continuar a vir aqui sabendo o quanto me irritam. Deve ser por causa da treta da poesia. Um vício chato.

Fausta disse...

Sim, porque vocês enervam-me.

paladar da loucura disse...

JCN sonhei com isso! Tu e a Fausta serem a mesma pessoa. Mas quem afinal, na serpente, não é senão a mesma e única pessoa?
E a Fausta aparece logo de rompante a desdizer (andavas a apagar as memórias, despediste-te com toda a pompa e voltas só para negar o Platero? Hm, no mínino ingénuo.
Quem afinal aparece sem disfarces?


Baal sou neta do ferroviário comunista!

baal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

O seu sonho, "paladar da loucura", deve ter sido um pesadelo! Quanto nao seu raciocínio, carece, em absoluto, de perspicácio. Talvez eu seja o único comentador dester ofídico blogue que não se oculta atrás de máscara nenhuma ou suposto nome. Sou o João de Castro Nunes, diplomado com a 4ª classe, poeta nas horas de pachorra, beirão por adopção e minhoto de nascimento e filho de uma Inês de Castro (assim, sem mais nada), que não é a mrsma que poderá pensar. Tudo em pratos limpos. E, se continuo a assanhar as serpentes, é para ouvir as gentis recriminações da "saudadesdofuturo", a sua domadora. De resto, tudo tolero... menos a mediocridade! JCN

Magno Jardim disse...

hey, finalmente.. xeguei a terra, tava eu num caixote, enfiado num cantaro a vender gelados quando fui apanhado de surpresa por "platero" nas suas filosofias de igualdade a comprar-me um calipo...
Saudades que tem o homem
;)

paladar da loucura disse...

Até que enfim,João Castro Nunes. Chamo-me Ethel Maria Feldman da Silva. Paladar da Loucura é o nome do meu blog. Se tudo é verdade o que escreves, pouco importa. Se tudo é mentira, importa menos. É bom quando danças na escrita. Aí JCN, apetece rodopiar pela sala. Sabe a falsa a tua ira. Foi contigo que me entediei pela continuada provocação, e foi contigo também que sorri.

Vou optar por ficar com o que gosto - é o que me inspira.

Ainda bem que não és a Fausta... que pesadelo o meu! Poucas pessoas me entendem tão bem como tu!

João de Castro Nunes disse...

"Ó Evaristo, toma lá disto!". JCN

baal disse...

desculpem a fausta o jcn?
o jcn é um fascista a fausta uma menina. tenham dó.
fausta já tinha saudades.
jcn baixa a bola.

paladar da loucura disse...

Oh Baal, desculpa-me. Estou quase sempre de acordo contigo. Mas a Fausta?

baal disse...

a fausta é minha namorada e é muito bonita. abraço

paladar da loucura disse...

Oh Baal! São afirmações desta natureza que fazem sofrer uma mãe. Abraço

Julio Teixeira disse...

Apesar de tudo, saúdo o mar, que não tem culpa de nada.

Cria peixes e os deixa pescar.

paladar da loucura disse...

e salga o paladar

baal disse...

anchovas (bigueirão)

cozem em sal nas barricas

adicionar:
cominhos, alcaparras, coentros.
bom apetite.

baal disse...

será pior platero. aquilo a que o poder chama crise é a morte dos homens justos. agradeço a revolta.
às armas.

paladar da loucura disse...

Ninguém as ouve chorar. Manso é choro da mulher do pescador

Ontem foram três, hoje outros dois - são todos homens do mar.

Que importa se forem mil? São homens que partem sabendo que podem não regressar.

E aqueles que se escapam no andaime e caem? Esses já sabiam de antemão que toda profissão é um risco!

Que importa se ontem foram cinco que se estatelaram no chão?

Quem se importa com isto?

Se o pão falta em casa?
Doce é o sabor de quem se esquece antes de adormecer.

saudadesdofuturo disse...

Ó pá, "Yota Cê Eni!"

Não és a Fausta nem o hausto
Nem Fausto és.

Pessoa(s) e máscaras
em terra é sinal de gaivotas pelo M(ar).

O absurdo sou eu mais as "recriminações" gentílicas de uma tal de "Soidadesfuturadas" do(mi)nadora das Ser(pentes)Emp(lume)adas(risos).

(Não teve graça, esta! Nenhuma, nem nada, nem Ninguém)



Jota Céi!

Se tu estás aqui por mim
Nem sei como hei-de cá estar
Se grito contigo enfim
Pões-me os nervos a estalar.

És, Jota Cê, algum facho
que anda a Serpente a rondar
Vais de cabeça para baixo
Como gaivota no ar.

(Vais pr'ó balde do Calipo!
Para arrefeceres...)
Sorriso :)


Ó Baal, tu tens namoradas plurais mais bonitas que as tais,
para afinal, não seres mais do que o filho do pedreiro,
à luta, à luta "pedreiro"!

(Sorrisos, muitos)

esta também não teve graça!)
Nenhuma!

Atirai medíocres, pedras!

Para todos, um dia de Sol com gaivotas e tudo.

Saudades de Saudades!

baal disse...

pois é saudades, filho de um pedreiro torturado quase até à morte pelos cães fascistas. falo para não esquecermos. e namoradas são sonhos que nos alegram a vida.

Fausta disse...

Vejo que se andaram a divertir às minhas custas enquanto eu estive numa pedreira ao calor da picareta! Ricos sábados, hein? Só música!
E ó Baal,namorados desde quando? Não sei de nada. Além disso, é do conhecimento geral que tenho um fraquinho pelo JCN.

Fausta disse...

Apresentação: Chamo-me Fausta F. Sou um ser PI, matematicamente falando, e algures no peito transporto uma Maria que não sabe rezar nem gosta de altares, mas conhece a voz de todos os anjos que me sorriem e retribui-lhes. Moro num palhaço, sou uma beleza nunca vista e tenho um namorado novo que não tenho. Não tenho estudos que me valham mas gostava de tirar a 4ª classe. É tudo.

João de Castro Nunes disse...

Disseste "palhaço" ou "palhoça"? JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...

Também fico com graves problemas de audição quando faço o pino. A massa cinzenta tapa-me os auriculares. Às vezes, até me apago.

Maria Sarmento disse...

baal,

É verdade que a tortura é o que de pior o ser humano pode fazer a outro ou ser vítima de. È um desarranjo do que o homem inteiro e íntegro deve ser.

A mudança há-de chegar para todos. Nada permanece, nem nós, querido baal.

á luta, à luta, isso sim! Sempre!
contra o que de pior tem o ser humano.
A arte de viver. A arte, ajuda, e a filosofia! :)

Um abraço sem "bagaço"!:) e "deste braço"

João de Castro Nunes disse...

Na sua pureza de forma e de sentido... só meus sonetos vão "permanecer". O resto... tudo o vento levará. Alguma dúvida? JCN

baal disse...

fausta olha que isso de trabalho nas pedreiras é muito explosivo e em portugal dá prisão. nunca te esqueças que o melhor é namorar com quem não se conhece. nunca dá chatices.

Fausta disse...

Nada disso.
Dois caminhos: um fácil, um difícil. Qual escolher? O difícil. Critério de escolha: ser difícil. Qual é a piada?: dificuldade.
Não aprendes nada nas auto-estradas. Só paisagem. Uma seca que dá sono.

Namorar quem não se conhece: mas não é sempre assim?

platero disse...

Olha,
no meio disto tudo só me resta desejar um bom dia de sol para enxugar a roupa
ou ao menos com boas abertas

aperto-Vos a todos

(não pelo pescoço, evidentemente)