O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

o erotismo das árvores




3 comentários:

baal disse...

eros e a árvore? e o fauno? a natureza é erótica? e o paraiso era erótico?
abraço fragmentus e não fujas.

frAgMentus disse...

heheh Baal, só tu para não receares um post destes :)

na verdade, sei que na natureza é plena de sensualidade mas, como fotógrafa amadora quen sou, acho que esse facto se encontra especialmente no reino vegetal, sobretudo com flores. já reparaste em macros delas? são maravilhosas...as texturas, contornos, formas, detalhes de cor, etc.

achei curiosas estas árvores, pareceu-me um par tipo yin/yang mas sim, árvores combinam mt bem com faunos, fadas e afins.

não fujo se formos ao pitéu prometido...schiuuu...senão os vegans caem-me em cima por gostar de mariscada ;)

namasté

João de Castro Nunes disse...

Conversas cifradas! JCN