O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

alfazema




Quero escrever um poema
Um poema não sei de quê

Quero escrever um poema
Como quem escreve o momento
Cheiro de terra molhada
Abril com chuva por dentro
E este ramo de alfazema
Por sobre a tua almofada
Quero escrever um poema
Que seja de tudo ou nada

Um poema não sei de quê
Que traga a notícia louca
Da história que ninguém crê
Ou esta afta na boca
Esta noite sem sentido
Coisa pouca coisa pouca
Tão aquém do pressentido
Que me dói não sei porquê

Quero um poema que diga
Que nada há que dizer
Senão que a noite castiga
Quem procura uma cantiga
Que não é de adormecer

E com ele então dizer
O meu poema está feito
Não sei de quê nem sobre quê

Quero o poema perfeito
Que ninguém há-de escrever

Que venha como um destino
Às de copas às de espadas
Que venha para viver
Que venha para morrer
Se tiver que ser será
E não há cartas marcadas
Só assim poderá ser
O poema que não há.”

Excerto do poema: “Balada do Poema que não Há”, Manuel Alegre

15 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Lá comprido é, muito embora não passe de um excerto! Deus me livre do poema inteiro! JCN

João de Castro Nunes disse...

Rosmaninho, alfazema e alecrim ("aos molhos") trazem-me à ideia os saudosos tempos de "verde gaio". Eram os tempos da FNAT: uma alegria! JCN

baal disse...

poi é, pois é. de vez em quando penso que o ma, além de caçador e mau poeta, não é um revolucionário (para não dizer outra coisa). e essa da alegria no trabalho vai contar a outro, pá. dedica-te a sonetar (sei que é irónico).

Harkshis disse...

como escangalhar uma mensagem em três atos... quatro.

Magno Jardim disse...

Agora o 5º

Enconberto pela não filosofia do Ser actual, que anda debaixo de escombros politicos e materias. De tanta matéria, impedido e não educado a Ser a sua própria essência convivendo com os demais..

Filosofia do Ser, do Viver, do Sentir, Que mais ?

O Outro.. é a Alfazema que foi vista num jardim qualquer

:)

João de Castro Nunes disse...

Nisso, meu caro BAAL, estamos em perfeita consonância; o homenzinho será tudo... menos poeta. Não posso! Salva-se o vozeirão! JCN

Magno Jardim disse...

Irónico
:)

João de Castro Nunes disse...

Ó Mango, vê lá se pões um pouco de ordem no que escreves! Que babilónia... sem ponta por onde se lhe pegue! Confrangedor! Trata de outra vida, pá! JCN

Magno Jardim disse...

ok, toma lá uma ponta pá

:)

João de Castro Nunes disse...

Só se for a ponta... de um corno! JCN

Rui Miguel Félix disse...

Antipoesia

Poesia criança, poesia menina,
- eu te perdi: tornei-me homem.

(Queria um verso para os meus ouvidos,
para o silêncio de minha mãe,
- cadê?)

Poesia moça, poesia antiga,
- eu te esqueci: tornei-me homem.

(Queria o amigo morto, os amigos,
- cadê?)


Poesia em rima, poesia em números,
- eu te calei: tornei-me homem.

(Queria um passarinho morrendo na rua,
para chorar o menino que se foi,
- cadê?)

Poesia em métrica, poesia em sílabas,
- eu te matei: tornei-me homem.

(Queria a companheira
em seus cabelos de sempre
em suas mãos de namorada
em seu corpo de lenda
em sua primitiva paz,
- cadê?)


Poesia grávida, poesia partida,
- te abandonei: tornei-me homem.

(Queria o retângulo de crepúsculo
que vi no mar,
há muitos anos,
- cadê?)


Poesia fraca, poesia mutável,
- a lua acabou: tornei-me homem.

(Queria as tardes, as noites, as manhãs
multiplicando o que sou,
eu vivendo em mim e nos outros,
na necessidade de um canário
voando entre os campos,
sem pompas, glória e adeus:
ah! não me afogar em poemas, em livros,
- cadê?)


Poesia,

Eu estou triste, eu estou só,
Tornei-me homem.

Assad Amadeu, in "Roteiro" (livro sem título), p.35

Abraço Anaedera.

Saudações aos presentes.

João de Castro Nunes disse...

Não querias mais nada, pá?!
Para seres "homem"... falta-te ser poeta. Essa é que é essa. Vai por mim! JCN

Rui Miguel Félix disse...

?

Anaedera disse...

Ser homem é respeitar e ser respeitado.

Anaedera disse...

Porque num jardim qualquer,
Alguém escreveu que
Sempre algo volta.
mais tarde…
mais cedo.

”Como as estações
Como a amizade
Como as marés
Como a saudade..”

Mas que sempre volta.

Então o verso voltará para quebrar o silêncio
Tal como amigo volta para rever o abraço.
Como o passarinho ferido sempre busca a mão da criança,
Também a companheira, procurará a paz de quem a aguarda.
Assim como rectângulo crepuscular, jamais poderá deixar de existir no
Infinito,
Também as tardes, as noites e as manhãs dos dias que se repetem,
Multiplicam quem somos, no Tempo que não acaba.
Tal como as humildes andorinhas voam pelos campos,
No seu regresso à Primavera, de todos.