O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Poeta quer dizer Possesso

Poeta quer dizer Possesso. Não devemos confundir os artistas do verso com os criadores de Poesia. Os primeiros interessam apenas à Literatura, ao passo que os sgundos têm um interesse vital e universal, como uma flor ou uma estrela.

Teixeira de Pascoaes

24 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Só agora, senhor KUNZANG, é que vossemecê chegou a essa constatação?!... Tome o TGV, quando o houver. JCN

João de Castro Nunes disse...

Possesso quer dizer... sem possese? JCN

Magno Jardim disse...

De ser artista
mas sim poeta.

Poeta existêncial diria.

Poesia,
possesso dela.

João de Castro Nunes disse...

Ó pá! convence-te de que não há poeta que não seja artista. Põe os olhos em ti, pá! que não passas de um "toco"! Enxerga-te, pá! JCN

nuno disse...

O tempo fez-me eternidade
vejo o espaço, contemplo
e o que vejo é saudade
uma saudade sem terra, sem pátria, que busca
que aparece assim, sem porquê, que é brusca
e que bruscamente tudo envolve, para tudo tomar
e que mete para dentro e explode, lá fora
num outro lugar.

O tempo fez-me eternidade
o abismo sem idade, vagamundo
sem cidade, cidadela, ruela, irrotundo
sem forma, para além do que se adora
ou do que se pode adorar, sem ninguém, calor ou luar
um acontecer que não sei se acontece
perecer que não bem perece, para lá
além-prece, além da malha que o mundo tece
o coração aquece, o coração ferve e jorra todo, e jorra e chora
para o corpo exposto ao infinito, aberto
não está longe nem perto, em devir
adormecido, desperto.

Magno Jardim disse...

Vou-te oferecer um gatinho!
Tas possesso.

Como é que confundes poesia com um "toco" ?

João de Castro Nunes disse...

Cheguei a pensar, aterradamente, que a tua "eternidade", caro Nuno, não tivesse fim. Que eternidade... tão comprida! Já não a quero. Prefiro... ser efémero: é menos chato. JCN

João de Castro Nunes disse...

A confusão... está do teu lado, ó pá! Continuas a ser um "toco"... de vassoura. JCN

saudadesdofuturo disse...

Jota Cê,

Todas as gargalhadas que dou ao ler-vos dão mais energia e elasticidade à pele que um tratamento de beleza. O que no meu caso seria uma figura de estilo que não aprecio particularmente e, por isso, uso pouco (adivinhem qual?):)

Felicito o seu sentido de humor, muito directo, muito inteligente, e muito, muito...

Bem, mais não digo para não "azedar" ou "adoçar" como queiram!

Obrigada por me fazer rir. É uma arte.

Cumprimentos J.C.N!

P.S. Essa de "Tome o TGV, quando o houver é (hahahahaha!!!) de mestre!

saudadesdofuturo disse...

Teixeira de Pascoaes foi um poeta de que se pode dizer que a poesia o possuiu, o tomou em sonho e em espectro de si o saudou saudoso universal, poeta do verbo, da natureza e da alma. Pertencia ele aos que florem no chão estrelas, que são poemas. Poemas que são como folhas que descem na alma que sobe em asa e rumor brando e fero da serra em Marões de alma o canto
faz-se luz e a luz sombria flor do verbo feito corpo. Carne espiritual do verbo. É meu irmão de obscuros lugares sem lugar. Sabe os segredos que aos deuses são dados, aos claros e escuros deuses do humano jardim criado.

paladar da loucura disse...

também queria rir, mas não consigo porque hoje estou triste e mais triste fico porque não encontro o texto onde me esqueço. venho à serpente esboço um sorriso, triste fico porque não hoje não sei como se faz para rir do texto ou com o texto. quem dera estar possessa e talvez ser poeta, para arrematar esta conversa. Mas hoje estou triste, sequer sei o desenho do riso. Quem dera estar possessa!

Harkshis disse...

fluoxetina hipoclorido, melhor... melleril, metamydol, roipnol, venlafaxine, sertralina, lydocaína, lofepramina, zopiclone, citalopram, por fim, thorazin, recuso o seroxat... 100 aspirinas e uma garrafa de cabernet sauvignon búlgaro colheita de 86, acordo numa piscina de vómito e digo, durmo com um cão, levante cheio de moscas, fortes dores estomacais, nenhuma outra reação, despoluída...

saudadesdofuturo disse...

Paladar da loucura,

Não pude deixar de me sensibilizar com o seu comentário. Pascoaes é um grande e divino Poeta. João de Castro Nunes é um homem que escreve versos, sonetos bem conseguidos, mas é um Homem, não um Santo. Eu não sou Ninguém ou se for é como se fosse uma criança que ri quando tem vontade e chora e etá triste. Possessos estamos todos de vida. Encontrar Vida na vida Mundo no mundo é sermos poetas, ao nosso jeito, de forma particular. O Magno Jardim, que é um jardim, não da "Magno" mas mesmo um magno jardim... O Nuno, excepcional, jovem cheio de Amor...
Todos, todos! (Desculpem a visão hoje cor-de-rosa). Comprei uns óculos novos (risos)

Não fiques triste, Paladar da loucura, olha o dia de hoje: Belo! Luminoso! Assim és!(sorriso)

Não fiques triste e não escutes o "constipado lá de baixo" a "cobra" vomitada, como diria a Fausta apagada!

Um sorriso resolve isso com facilidade. Um olhar e um sorriso e não precisas de gastar dinheiro em outros aditivos. A beleza é ja de si, um tremendo aditivo e a arte, a Poesia, são outros, a vida vivia! Esse é o problema! (gargalhada)

Fazer florir sem palavras... Só com o olhar! O silêncio ri muito.
O silêncio é uma boa companhia, depois do poema e da música. Já ouviste o som do dia?

Um beijo de Alegria
E não te esqueças que, como diz o poeta e o Paulo Borges, "devemos ser contagiantes!"

Atitude positiva! Isto é tudo um espelho.

saudadesdofuturo disse...

Onde se lê "vivia" deve ler-se "vicia". A frase passa a ter algum sentido.
Não ressalvo as outras incorrecções, desculpem. Talvez não prejudiquem a compreensão do comentário.

Beijos e tenham um BOMDIA!
("Sorri-dente")Todos: "bons" e "maus"! (ahahaah!)

paladar da loucura disse...

Há tantos santos e anjos maus. A cada momento somos quase todos ao mesmo tempo. Se escrevi a tristeza, leio tua mensagem com um sorriso rasgado. Sem medo da tristeza, certa da gargalhada - eterno contraponto.
Não tenhas medo da minha tristeza, Saudades do Futuro.Ela é tanto minha quanto vossa.
Se agora sorrio, vem depressa e acolhe o gesto que partilho. Se medo.

Já são quatro da tarde. Na serpente espreito a noite e todos os desejos. Se houvesse o TGV eu estaria em Madrid. Até lá vou ficando por cá.
Beijos

paladar da loucura disse...

Se agora sorrio, vem depressa e acolhe o gesto que partilho. SeM medo.

saudadesdofuturo disse...

Não tenho medo e não quero ir a Madrid(sorriso), mas quem queira tomar o TGV... Pois pode ser tão eficiente como uma aspirina para a dor de cabeça :) ou um desses medicamentos receitados pelo(a) Harkshis. Fico bem em saber que "Serpentina" sem Medo. Apesar de saber que há quem seja possesso delas ou por elas... "Sem possese"?, como insinua JOTA CÊ!

Fica por c á o teu paladar.
Um sorriso :)

paladar da loucura disse...

JCN também não te apetece viajar? Levo comigo todos, sem TGV. Até levo a Fausta, mascarada. Levo todos os que inventam nomes mil por serem sempre a mesma pessoa. Só não levo remédios - prefiro o vinho a escorrer pelo corpo, enquanto danço. Se chegarmos tarde, recito um poema endiabrado. Se for cedo peço a quem saiba que toque um tango. No regresso - se houver caminho para trás, volto à Serpente, só para contar que se vai à Madrid sem o TGV.
Querida Saudades do Futuro, acho foste tu quem me ensinou a viagem :)

Magno Jardim disse...

Que "tocaria" !
Um abraço do "manguito" da vassora.

Arvore vibrou
viajou até Madrid
e se fez folha...

Em Ramos voltou
e quando deu por si
estava enterrado num
Magno jardim.

:)

saudadesdofuturo disse...

...Possessos estão os nossos olhos da beleza das coisas que viajam sem saber para onde vão. Seguem-nas, como asas, os nossos olhos à solta e por cima da literatura as estrelas são flores que nascem em magno jardim. São flores de neve muito para além da nossa imaginação.

Todos os poetas são possuídos pelo gemido dos ramos e das árvores que se inclinam sobre os céus das folhas. Criam jardins e risos. Risos que podem ser de harpas e sons. Sons que são sorrisos, ainda que dos lados do jardim um vento forte suba à torre mais alta, para que seja tempestade nos cabelos que dão ao céu a filigrana de uma janela de olhares...

Cresce nos ramos a vontade de ser pássaro e em cada olhar debica-se a brisa como se o mar ali entrasse pelo olhar preto da gaivota que saiu do conto para poisar no Marão, onde Eleanor desabrocha na flor do seio da pastora.
Uma mulher que chora qualquer coisa de espectral e funda irrealidade...

Poesia de louco e de toques

Magno Jardim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
saudadesdofuturo disse...

Esqueci-me de sorrir para o Magno Jardim :)

Magno Jardim disse...

"Tempo foi. Nem primeiro nem segundo
Volveu do fim profundo
Do mar ignoto á Pátria por quem dera
O enigma que fizera"

:)

João de Castro Nunes disse...

Em filigranas de luz, que lindas rendas de bilros sabe tecer a "saudadesdofuturo", mesmo quando me retira a auréola da santidade e me deixa apenas o mérito do cinzelador de versos! Que seria das serpentes.. se não fosse o seu poder de as encantar com o fascínio poético das suas inspiradas palavras, gratas de se ouvir?! Só ela me prende a este ninho de lacraus! É o meu paládio... talhado em diamante puro. Não há lança que o trespasse.
Por isso vou ficando... para, fazendo-a rir, lhe espairecer as saudades que lhe dão nome. JCN