O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

"O diabo é idêntico à língua" ou o pensamento nómada de Vilém Flusser




"A língua materna forma todos os nossos pensamentos e fornece todos os nossos conceitos. É ela a responsável pela nossa cosmovisão e pelo valorizar que sobre ela fundamentamos. Em outras palavras: a língua materna é a fonte do nosso senso da realidade. Com efeito: amor pela língua materna é sinónimo do senso da realidade. Mas de que realidade se trata? De uma realidade relativa. A pluralidade das línguas o prova. Toda língua produz e ordena uma realidade diferente. Se abandonamos o terreno da nossa língua materna, se começamos a traduzir, o nosso senso da realidade começa a diluir-se. [...] O diabo é idêntico à língua. A língua é aquele tecido de maia que se estabelece como véu na superfície da intemporalidade. A realidade ou as realidades que a língua cria é justamente aquilo que temos chamado, até agora, de "mundo sensível". Passaremos, doravante, a chamá-lo de "mundo articulável". E rectificaremos, igualmente, a nossa definição operante do diabo. Temos dito que ele é o tempo. Agora podemos precisar melhor esse termo "tempo". "Tempo" é o aspecto discursivo da língua. E definiremos o diabo como "língua". O amor pela língua materna é a sublimação mais alta da luxúria, porque é a luxúria elevada até ao nível da realidade do diabo"

- Vilém Flusser, História do Diabo, São Paulo, Annablume, 2006, pp.91-92.

Realizar-se-á um Colóquio Internacional sobre Vilém Flusser, em 3 e 4 de Maio, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, organizado por Paulo Borges e Dirk Hennrich. Flusser é um originalíssimo pensador checo que escreveu algumas das suas obras maiores em português do Brasil. O presente trecho está vertido em português de Portugal, não castrado pelo acordo ortográfico.

A nova revista ENTRE publicará um estimulante inédito deste pensador genial.

Publicado em:
arevistaentre.blogspot.com

26 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Que diabruras! JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Borges disse...

Fausta, de acordo com quase tudo, exceptuando a linguagem e que nascer, envelhecer e morrer sejam "verdades reais". Creio que também são relativas ao pensamento-língua que leva a conceber que "somos", que existimos, que há sujeitos como realidades últimas, não relativas...

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Borges disse...

Nada nego porque nada afirmo. Qual a prova de que existes? O que é isso que dizes vertido num corpo? Liberta-te do pensamento e da língua. Não intelectualizes.

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Borges disse...

Não faço perguntas e assim me livro de ficar preso em respostas.

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
baal disse...

fausta


a realidade não é relativa? para nós é porque nunca somos um observador imparcial, ela existe mas para nós é como se não existisse, por isso existe uma criação nossa a todos os níveis 8não só o da linguagem) e não a realidade.

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Julio Teixeira disse...

A Impermanência
vista como ela é - Transformação - não pode negar, ainda que relativa a existência pessoal no tempo.
Nem pode nem existe um modelo universal de não ser.
Mas um fluxo contínuo de nascer, crescer e morrer pela transformação celular dos corpos dos individuos.
Sim, é uma incognita o projeto do Criador ou Deus para esta existencia, temporal, mas enquanto corpos e personas algo se apresenta e marca a cena do teatro da vida que passa.
Para tanto, logo acima celebramos UM GIGANTE que por aqui passou nesse mesmo jogo, e marcou a face da terra com a sua Sublime Arte de ensinar sem as nuvens escuras, que dificultam os pensamentos claros e expressos pela língua.

baal disse...

a realidade é relativizada não só pela lingua mas pela ciência (se a considerares uma linguagem ok) e na quântica fausta a realidade foge e nós actuamos laboratorialmente para a controlar (observador imparcial), a realidade não é relativa, nem relativizada para nós simplesmente não é. e percebi,
mas nada melhor do que colocar aporias.

lembrei-me agora, não sei se inventei (claro que não), 'in disputio veritas' analogia a má xima mais utilizada nesta quadra 'in vino veritas'

porta-te bem fausta

e já agora nunca apaguei nada na minha vida

baal disse...

digo observador imparcial que não somos ao contrário do que a ciência alvitra.

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Que endiabrada conversa! Só falta o Feitais para pegar ao palio! JCN

saudadesdofuturo disse...

:)

Magno Jardim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Se dão corda ao diabo... estamos quilhados! JCN

Harkshis disse...

psicoses, hipocrises

atributos do existente

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
paladar da loucura disse...

Porquê verter para o português de Portugal se foi no português do Brasil que Flusser escreveu?

Entre idas e vindas estou entre o Brasil e Portugal. Troco a regra gramatical. Um amigo diz-me:
- "ler-te em brasileiro fica mais fácil"
Outra amiga afirma:
- "Antes de enviares os textos para a editora temos de corrigir o português..."
E eu grito: NÃO!É assim entre Portugal e Brasil, trocando o tu e o você, que me entendo e escrevo. Essa é a minha realidade.
Fussler escreveu em 4 línguas, em cada uma um novo ser/sentir,
Será assim?

Magno Jardim disse...

Que luxuria
Que azo
Que diabo !