O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 2 de junho de 2009

belavista III

a produção de distinções é intrínseca à soberania. A distinção originária que institui o dentro e o fora, o normal e a excepção,mesmo que o oposto do normal seja o estado de natureza, o amigo-inimigo, persiste na medida em que o espaço para exercer a violência diminui, normalizado pela demanda dos individuos. A soberania trabalha também com zonas distintas, como agamben indicou com a figura do homo sacer, aquele que não pertence à dualidade do amigo e inimigo, despido do reconhecimento é igualmente afectado pelo poder soberano, um exemplo próximo são os refugiados, os nómadas, aqueles que pertencem a zonas sem estado

18 comentários:

frAgMenTUS disse...

tu adoras filosofia política, Baal! tive um prof q era um espectáculo:Mendo Henriques, conheces?

frAgMenTUS disse...

Giorgio Agamben (Roma, 1942) é um filósofo italiano. Formado em Direito, com uma tese sobre o pensamento político de Simone Weil, é responsável pela edição italiana da obra de Walter Benjamin . Foi visiting professor na Università di Verona e na New York University, antes de renunciar de entrar nos Estados Unidos da America, em protesto contra a política de segurança do anterior governo norte-americano[1]. Actualmente lecciona Estética e Filosofia Teorética na Università IUAV em Veneza. A sua produção centra-se nas relações entre a filosofia, a literatura, a poesia e, fundamentalmente, a política.

Entre as suas publicações principais encontramos Bartleby, la formula della creazione (1993) - uma analise da figura de um escrivão que deixa de escrever («preferiria não»), que é uma quase reflexão indirecta sobre o seu próprio método de escritor e de filosofo- e o imenso projecto, que o continua ainda a ocupar, iniciado no inicio dos anos 90, em torno de uma figura jurídica singular do antigo direito romano: o homo sacer ou «homem sagrado». A publicação de Homo sacer: Il potere sovrano e la nuda vita (Torino: Einaudi, 1995), um estudo que o leva ao reconhecimento internacional, marca a primeira parte ou fase dessa investigação


http://pt.wikipedia.org/wiki/Giorgio_Agamben

tive q ir ao oráculo google, pk não o conhecia...

Paulo Borges disse...

O poder brota da dualidade e reprodu-la para se manter, exilado da autoridade primordial, onde a cada instante pode recair.

frAgMenTUS disse...

Paulo, o sagrado é não-poder?

frAgMentus disse...

a harmonia do Tao é ausência de poder, ou a sua plenitude, em essência?

Paulo Borges disse...

Creio que o poder se instaura pela cisão entre sagrado e profano... Lamento não poder continuar o debate, pois tenho de ir para a Faculdade.

Nuno Maltez disse...

http://www.youtube.com/watch?v=dX3VZK0Rdr0&feature=PlayList&p=665ED8D73BBFCFEA&playnext=1&playnext_from=PL&index=44

Uma canção vinda das estrelas para a libertação universal.

The Pleiadians - Maia.

frAgMentus disse...

obrgda, Paulo.

Nuno, isso já é tortura, não tenho som no pc e fico curiosa, pois depreendo q seja new age music q adoro!

baal disse...

nunca saberemos, aliás é essa a questão primordial, o poder é uno, se é, é injusto? será que a ausência é o verdadeiro poder?, nunca saberemos, palavras..., e as últimas dor e alegria.

frAgMentus disse...

Baal, vamos esperar que o paulo venha da Faculdade ;)

Mestre de culinária disse...

Gosto tanto, tanto, de Agamben.
Grelhaden!

frAgMentus disse...

gostas? sorte a tua poderes comer grelhadinhos pk mta gente da belavista e não só, só os cheira, se cheirar...é a crise!!!

Meditando disse...

Agora imagina os que nem olfacto têm...

frAgMentus disse...

agora imaginemos o sem olfacto...o nada...e voltemos a meditar sobre o poder...

Telescópio disse...

Poder é pertencer ao colectivo elitista por ambição, vingança do próprio fracasso ou cobardia individual. É ter medo de ser gente igual à outra... É ceder-se, sem retorno, todas as vezes que forem necessárias, para mais uma vez, e acima de todos, não ser ninguém.

frAgMenTUS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
frAgMenTUS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
frAgMenTUS disse...

desde q o homem é homem q o poder existe como algo q lhe é inerente, a necessidade de sobrevivêncoa conduz à apropriação da natureza e ao simultãneo surgimento da cultura...assim sendo: poder é ser? ou ânsia detorpada pk se quer ter?