O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 28 de junho de 2009



1-Coltrane
2 -Miles Above

by Aaron Scott Badgley

4 comentários:

Aqui jazz o blues disse...

A expressão da cólera face à opressão!

saudadesdofuturo disse...

Como quem solta pássaros de uma espiralada melodia...
Também as vozes fortíssimas dessa improvisação e diálogo da alma com a dor se "ouvem" na imagem... também do desejo de liberdade, encolerizada ou não...

Trombone disse...

Eu não ajudo patos bravos!

Pato bravo disse...

“De vez em quando ouvimos falar de um grupo de pessoas que se unem em condições de pressão extrema e obtêm resultados aparentemente milagrosos. Nestes momentos, os seres humanos transcendem as suas limitações pessoais e alcançam uma sinergia colectiva com resultados que ultrapassam as expectativas baseadas em desempenhos anteriores. Qualquer pessoa que assista a um concerto sinfónico ou de jazz espera por um daqueles concertos “especiais” que elevam o espírito tanto do público como dos músicos…”

Experiências de consciência de campo (…)