O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 25 de junho de 2009


pintura "Fury" by Eugene Garin

11 comentários:

Paulo Borges disse...

A fúria é sublime.

Anónimo disse...

A loucura do mundo

Poison Ivy disse...

Lambe-nos tudo, lambe-nos fundo

Decididamente disse...

quanto mais gelada e agressiva melhor...

Anónimo disse...

Estão a fantasiar o quê?

Respondendo disse...

Ninguém está a fantasiar nada!Deixa-te "lamber fundo" na gelada e agressiva onda desse mar... a sensação é... Sublime!

PBuda disse...

De fúria, sei vaga mente...

Fantasia disse...

não pensem vocês são fantasia!

Capitolina Conceição disse...

Mergulhei... fundo! Hummm... que bom!

psíquica disse...

Meteste água, portanto.

Liliana Jasmim disse...

Paulo,

na fúria dos gestos humanos - encontro na natureza expressão, no mar em revolta.

De facto, " A fúria é sublime"