O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 22 de junho de 2009



"A mermaid found a swimming lad,
Picked him for her own,
Pressed her body to his body,
Laughed; and plunging down Forgot in cruel happiness
That even lovers drown."


William Butler Yeats

5 comentários:

Fenómeno disse...

A consciência do desdobramento. Que bonito quando o duplo não é um cadáver.

Nuno Maltez disse...

Outro grande post. Parabéns.

Anónimo disse...

Um adorador de mermaid...

Anónimo disse...

a minha amiga Sereia* vai adorar ver este post, quando vier do seu watsu ;) bj

frag

Margarida (atenta) disse...

"O meu amigo! Era a sua voz!
(Levanta-se. As correntes desprendem-se.)
Onde está? Ouvi-o chamar.
Estou livre! Ninguém me vai prender.
Para os seus braços quero voar,
Contra o seu peito descansar!
Ele chamou-me! Estava ali na soleira.
No meio da infernal chinfrineira,
Do escárnio diabólico e feroz,
Reconheci-lhe o tom meigo da voz!"

Fausto