O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 16 de junho de 2009

Saudade do Presente

Os sítios falam dos que já não estão

Se ao meu encontro fores
Passarás pelos vários sítios onde estive
Lembrar-te-ás onde estou.


10 comentários:

Anónimo disse...

pk o passado é a chave da nossa compreensão, td é passado, o presente e o futuro são efémeros...

bj, Luiza

frag

Lapdrey disse...

Se o passado é o que está "presente", o presente é como se não existisse, e o futuro como o que não houvesse.

A Luiza fala, creio, de algo diverso.

O passado, se é "chave", já não tem porta que o abra: abre-se a cada instante... e nisso mesmo se fecha.

Mas, se tudo, entretanto, é passado, como então estamos aqui?

Finalmente, o que significa "lembrarmo-nos onde estamos"?

Talvez aconteça que nem sempre "estamos" onde "estamos"... ou onde nos "encontramos"...

Anónimo disse...

tudo é passado pk presente e futuro são projecção, ãs unidades de tempo mais ínfimas bem como o nosso projecto são passado pk se vão concretizando neste fluir cósmico...a nosso compreensão advém então dos resquícios desse continuum...fiz-me entender, Lapdrey? estamos tb aqui pk reencarnamos, cá estamos, tem a ver com o passado...e o passado genético, hereditário e cultural não nos condiciona/determina?

frag

Anónimo disse...

concordo plenamente qd afirma que : "Talvez aconteça que nem sempre "estamos" onde "estamos"... ou onde nos "encontramos"..." - trata-se da (des)adequação entre a vivência do tempo nas suas múltiplas acepções de psicológico, afectivo, ... - 'o tempo é uma distentio anima', sto agostinho (já vem do 'timeu', de platão)

frag

Anónimo disse...

(eu sei q vou levar castanhada dos seus neurónios, mas atrevo-me sempre a expor o q penso, bem como as minhas dúvidas e inquietações ;)

namastê, Lapdrey

frag

até acedo "fortvv"...forte vês, ana? toma juízo com quem te metes lol

Lapdrey disse...

Fez-se entender, sim, Frag.

Mas os meus "neurodreys" ficaram um tanto "neurofrags" e "confusos" com estes três frag'comentos passados do mesmo presente.

Aparentemente, sendo que "tudo é passado" (concedo, num sentido!), isto que escrevo, quando lhe chegar aos olhos, será da idade da pedra fragmentada.

Por isso, presumo, assumo, que dada a deslocação (no passado, claro) do seu "fluir cósmico" e do meu, é muito remotamente (im)provável que eu possa (não disse que não venha a) obter uma resposta sua, resposta que não seja no passado dum futuro fluir cósmico, que apenas nalgum futuro (passado, claro) possa chegar de novo até mim.

Gostei dos "resquícios do continuum", amiga. Deu-me assim uma irresistível comichão no nariz da orelha e umas danadas dumas cócegas no traseiro do joelho: isto é, no futuro passado e no passado futuro.

Beijo amigo, ... não de "castanhada"...
(agora é mais época da sardinha e do caracol...)

saudadesdofuturo disse...

Os lugares falam, sim, Luíza, dos que estão e dos que já não estão. E se passarem pelos sítios onde estive, ainda lá estou, lembres-te ou não.

Um abraço saudoso

Luiza Dunas disse...

O Momento é soberano, sem princípio nem fim.
Onde estive é onde estou, pois sim, Saudades, no olhar que abraça fundo o tempo que desprende.

Lapdrey disse...

Lembrar-me-ei onde estou, cara Luiza: no sem fim nem princípio... e no nada disso também.

Desprendendo(-me) do tempo, aprendendo(-me) eterno.

(Aceno cordial!)

Luiza Dunas disse...

Volto mais Logo para te falar e à Fragmentus.

Aceno-te, meu Caro Lapdrey