O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 21 de junho de 2009

Naci En Alamo:"no tengo lugar/ y no tengo paisaje/ yo menos tengo patria"

Duas "versões" fabulosas dum mesmo original.

Quem tiver pátria e lugar dela bastante, que escolha a paisagem... e "com seus dedos faça o fogo"...

(Minha gratidão a Saudades, por me ter dado a conhecer a voz de Yasmin Levy)






Naci En Alamo
no tengo lugar
y no tengo paisaje
yo menos tengo patria
con mis dedos hago el fuego
y con mi corazon te canto
las cuerdas de mi corazon lloran
naci en alamo
naci en alamo
no tengo lugar
y no tengo paisaje
yo menos tengo patria
naci en alamo
naci en alamo
ay cuando canta(s)
y con tus dolores
nuestras mujeres te chican
ay, ay
ay
ay, ay
ay
naci en alamo
naci en alamo
no tengo lugar
y no tengo paisaje
yo menos tengo patria

2 comentários:

Fora do acorde disse...

A estrada é de ciganos, mas não é este o som.

Liliana Jasmim disse...

conheci há pouco tempo, através da saudadesdofuturo.