O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

És feliz?

Aí tens, sustém-te...

4 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Isso... é pergunta que se faça?!... JCN

Paulo Borges disse...

É sempre comovente, caro Rui Miguel, recordar o que perdemos, mesmo sem absoluta saudade de lá voltar... A ingenuidade infante, arremedo da sabedoria sem idade.

Kunzang Dorje disse...

«Nenhum adulto foi bom em tempo algum, com excepção dos santos, os quais, qualquer que fosse a religião que os santificou, concordaram todos com as palavras evangélicas em que se aponta a criança como paradigma de homem e fizeram todo o possível pelo regresso à infância; o que dá poderoso significado, e não já como sobrevivência do passado, mas como prenúncio de futuro, àquela antiga festa portuguesa, hoje das Ilhas e Brasil, em que o povo, mais sábio que os doutores, coroa uma criança Imperador do Mundo. E é à criança que temos de considerar o bom selvagem, estragando-a, deformando-a, inutilizando-a o menos que nos seja possível, defendendo o seu tesouro de sonho, jogo e criação, a sua espontaneidade e a sua malícia sem maldade, o seu entendimento sem análise e o seu amar do mundo sem a preocupação das sínteses; e foi afinal desta criança feita Deus, ou Deus se revelando, para um Novo Evangelho, que nos falou Alberto Caeiro, o poeta que se afirmou no que toca aos jeitos de viver, o mais português de todos os poetas portugueses.»

Agostinho da Silva, in Educação de Portugal

Rui Miguel Félix disse...

Meu caro João, as minhas dúvidas, são profundas, e visam sobremaneira acordar uma única pessoa, a única pessoa que ‘não’ encontro, bem por dentro ‘desta’ funda ausência, bem por dentro da mais extensa solidão.
Amigo (veja a força da palavra), se de alguma forma se viu ferido, perdoe-me.
As marcas de sangue que ostento são lágrimas d’infância do meu coração.

Procuro-te, mas não te encontro, e sei quando te perdi.
Sejas tu uma ideia do meu ido esquecimento, sejas apenas suposto, sustido.
Estendo-te a mão, em vão tentando alcançar-te, nas palavras, nas imagens, nos sonhos que nos mantêm acordados, nos breves instantes que se escapam, à luz do astro que perdura.

Paulo, Kunzang, agradeço-vos por terem tido a amabilidade para acrescentar outro pequeno grande papel ao quadro… arrisco, permitam-me; Paulo “nas recordações”, Kunzang “nas crianças”.

Quanto a mim, passe-se a egocêntricidade da forma, queria aqui deixar bem expresso, que não tenho folha, nem ideia, do que é a felicidade.

Perdoe-se-me o algo por haver a perdoar.

Um abraço, mais-que-abraço.