O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 12 de dezembro de 2009

em tempo de defesa dos animais - velho poema guardado na memória


Dona Marta é gorda
é gorda que se farta
tem um casaco de marta
pô-lo arrepia

dona Marta é gorda
é gorda que se farta
tem um casaco de marta
pô-lo arrepia

arrepia
a memória da marta
morta
que está farta
de cobrir
tanta Marta
vazia

7 comentários:

Paulo Borges disse...

Boa, Platero!

João de Castro Nunes disse...

Boa... não é uma serpente?!... JCN

Fausta disse...

Dona Marta não é gorda. É obesa.

João de Castro Nunes disse...

Que mais dá?!... JCN

João de Castro Nunes disse...

COMPETIÇÃO

É a vez dos animais,
agora neste momento:
é somente um passo mais
para entrar no parlamento.

Que importância é que isso tem
se mais um ou menos um
não tira a vez a ninguém
nem o lugar a nenhum?!

Se acaso for um leão,
sempre poderia dar
uma excelente liçao
de fazer-se respeitar.

Mas se for uma leoa,
talvez fosse até melhor:
o parlamento em Lisboa
necessita de se impor!

Anda tudo à batatada
por motivos triviais:
para acalmar a bancada
venham pois os animais!

JCN

João de Castro Nunes disse...

CONTRASTES

Que bem ficava à czarina
à volta do seu pescoço,
muito esbelto, nada grosso,
aquela estola tão fina
duma marta zibelina!

Agora a marta da Marta,
que é ordinária como tudo,
nem sequer vale um escudo:
vá p'rò raio que a parta!

JCN

João de Castro Nunes disse...

A marta que veste a Marta
dá que falar que se farta
nem que fosse uma lagarta
a devorar uma tarta.

JCN