O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 19 de dezembro de 2009

No dia em que se descobriu o amor inventaram a violência. as aranhas na fabricação do linho. os caramelos para atrair crianças. as catacumbas. as noites de uivos. os lagos sem bússolas de areia por baixo. o coração é o lugar onde guardamos as armas. desde esse dia

7 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Tem a certeza disso?!... JCN

João de Castro Nunes disse...

Não seja tão peremtório:
da maneira como o diz,
sua prosa por um tris
não mais é que palanfrório!

JCN

Paulo Borges disse...

Belo e sábio texto, tão desgraçadamente comentado...

Carlos Alberto Pontes Ferreira disse...

o teu artigo no Barcelos popular está excelente

João de Castro Nunes disse...

Comentário por comentário... venha o diabo e escolha! JCN

João de Castro Nunes disse...

Sabe acaso vossemecê dizer-me em que dia e hora nasceu... o amor?!... JCN

platero disse...

Gosto
um Bom Natal

abraço