O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

último de 2009

A alma não se acalma

com morangos hidropónicos

nem com gadgets nipónicos

com fios em vez de veias

a rosácea dum rosto

na antecâmara do ir além

róseos lábios de carne acesa

no sem refúgio da perdição

a alma não tem alma

só a profundeza do coração

só a agudeza da inquietação

nos mastros de ter partido

o vento soprado do longe

a hybris de ter nascido

não tem terra a visão da alvorada

a cintilação do mundo

na retina que cega de rotina e satisfação

é fome e nada mais

não se acalma com a ondulação inconstante

de não ser daqui

é matéria e tudo o mais

a montanha da montanha

o mar do mar

a imensidade da imensidade

a alma da montanha do mar da imensidade

búzio de se descobrir na praia

a escuta que a si própria se alimenta

extravasa o acto de escutar

a cada momento morre no fundo do mar

o que acima da terra se eleva

as asas são feitas de sol e maresia

a alma é volátil

destapada evapora-se pelo gargalo de ser alguém

comam-se os morangos a saber a terra

a vida higienizada é um opiário de aviário

é uma merda de placidez que só consola

os fatos do acordo ortográfico

são para vestir e para analisar

em busca de porquês

destoam sempre com camisas sem gola

embora possam usar-se sem gravata


11 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Que patacoada... para fim de ano! JCN

Paulo Feitais disse...

Isto é giro! Os blogues do blogger já trazem um JCN por defeito (sem desfeita!) ou tem que se instalar um manualmente? (Por assim dizer?)
E onde se descarrega (downlouda)?
E há um pacote com mais do que 1?
Um podia dizer uma coisa e os outros também!
«Uma coisa!» e vai o outro: «Uma coisa!», e mais outro: «Uma coisa!»!
Até se poderia gozar com esse aspirante a zarolho, falhado, o Heidegger e dizer: «A coisa, coisa!» ou: «a coisa coisifica». Isto é que está uma coisa!

João de Castro Nunes disse...

Continuas a ser... um sensaborão! Metes dó. Porque não te "enfeitas"?!... JCN

João de Castro Nunes disse...

Que boa coisa me saíste tu, pá! JCN

Paulo Borges disse...

Que patacoisada!

Paulo Borges disse...

Gosto do evaporamento pelo gargalo de ser alguém!

João de Castro Nunes disse...

Vossemecê... tem gostos muito estranhos! JCN

João de Castro Nunes disse...

Entre "patacoadas" e "patacoisadas"... ficamos empatadas, com ligeira vantagem para o meu lado. Desempatamos... para a próxima, em 2010. JCN

João de Castro Nunes disse...

Com que então vossemecê veio dar uma mãozinha... ao homem das "coisas"?!... JCN

Fausta disse...

Traidor!

Paulo Feitais disse...

O JCN dos meus posts é menos janota que os outros.
E parece que anda sempre empatado.
Coisas da informática.
Será que é um JCN beta?
beto?
Ui!