O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Serpente III



"Qualquer coisa se perdeu quando o Paraíso Perdido se ganhou."

Fernando Pessoa

21 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Esta... também se parece com uma sentença do juiz de Barrelas! JCN

Anaedera disse...

Quem é esse!?

Carlos Alberto Pontes Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Está tudo... na internet! Pode também procurar em juiz... de Fajão. Vem a dar o mesmo. São celebridades... regionais. Referências... incontornáveis. JCN

Anaedera disse...

Quais assuntos?

Anaedera disse...

Já vi. Mas apesar da imagem ser igual, não o é realmente o assunto.
Temos uma série de posts acerca de "serpente" e dos sentimentos que nos vai causando, um encadear de emoções e ideias ao longo do que vamos apreendendo no blog, só isso, mas obrigada pela comparação.

João de Castro Nunes disse...

Trabalhem sem rede... como os trapezistas do engenho, equilibrando-se na corda-bama das ideias. Sem malabarismos estéreis e frustrantes. Largas ao pensamento! E à Poesia... também. Não atrofiem a serpente nem a prendam na gaiola como um passarinho. Deixem-na livre! JCN

João de Castro Nunes disse...

Tenho pena que não tenha conseguido ver pontos de contacto entre as ambíguas sentenças do juiz de Barrelas e os difusos solilóquios do "Pessoas"! Escarafunche... melhor! JCN

Carlos Alberto Pontes Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Alberto Pontes Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Fui ver: uma sensaboria! A Cascais... uma vez e nunca mais! JCN

Paulo Borges disse...

Belo aforismo, que pelos vistos é alvo por muitas setas falhado...

João de Castro Nunes disse...

É porque o atirador... deve ser zarolho! Ou tem o arco... torto! JCN

Anaedera disse...

Relembrar é fácil demais, difícil tem sido reaprender.
E assim se chega a uma escola em que cada vez se sabe menos.
Como num caminho sem volta.
Só uma inocência gritante vai ficando. Tudo o resto se apaga.

João de Castro Nunes disse...

Caminhos sem volta... não há! O que há... é caminhos sem saída. Suponho eu. JCN

Carlos Alberto Pontes Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Parece que vossemecê anda a jogar às escondidas com os "às" e os "hás"! Reveja-me essa gramática. Caso contrário, lá se vai por água abaixo... toda a sua esotérica filisofia. JCN

Carlos Alberto Pontes Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Vossemecê julga que faz dos outros... parvos?!... Vá contar essa... ao Ti Zé Manel das Verças, mas fuja logo... para não ser corrido à zé-povinho! Essa dos "hentendidos"... não pega. Habilidades... pacóvias, meu caro! Expedientes... para despistar parolos. O que vossemecê não sabe é distinguir os "às" dos "hás". É comum, aliás. Agarre-se à gramática, menino! JCN

Carlos Alberto Pontes Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Perante o seu palanfrório em torno da letra H, maiúscula ou minúscula, pena tenho que não (h)aja mais reaccionários, como eu, a zelar pela correcção ortográfica da língua portuguesa, que tanto tem custado a preservar de mazelas, como no presente e lamentoso caso. E olhe lá: porque é que escreve, lado a lado, "respeitar-mos" e "estarmos"?!... Acaso também foi de propósito... "para se lerem para além das palavras"? Valha-o Deus! JCN