O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

sapinho... sapinho!! *Plin!

6 comentários:

frAgMentus disse...

hehehe eu vi logo q esta foto tinha a tua autoria, Félix ;)

biologia...fotografia...mt gira
foi perto do ribeiro da montanha? ou alentejo?

bj

Sereia* disse...

Há anfíbios tramados
Há outros que dão trambulhões
Há sapinhos engraçados
plin* plin*, plin* plões*

;)

Amigo,
é mesmo LINDO o sapinho!
E pedroa a quadra sem jeito, mas foi uma comemoração.

Beijos*
E Obrigada

Rui Miguel Félix disse...

Muitas das vezes, tal como as pedras, a Natureza fala-nos, baixinho, dizendo que a nós é anterior e que por aqui subsistirá mesmo quando a seus pés a nossa espécie perecer.

Este sapinho, em subtil pose fotografado, ao redor de musgos verdes e frescura de montanha, vem aqui pedir para não nos esquecermos dele... é um bicho piqueno, de entre os incontáveis ínfimos seres que a nossos olhos se apresentam como inferiores, e por isso, falam-nos bem alto, dizendo que outros incontáveis poderão estar bem acima de nós.

Volto à aguinha, e à sua escassez... se este desiquilíbrio se mantiver serão estes os primeiros piquenos seres a desaparecer, comprometendo e de que maneira todas as fundações da teia matricial que rege a inter-dependência e inter-relação das espécies.

A Natureza é soberana, anterior à criação.

Ora bem, amiga Fragmentos, já respondi :) é uma ranita montanhosa, minhota, da serra do Gerês. Local a visitar!
Um abraço amiga, e felicidades! ;)

*Sereia, em boa hora uma ranita saltou do charco para cima de uma flor de lótus onde em sonoro silêncio coaxou pelo seu futuro.

o Homem, como ser dito superior, tem em sua posse 'uma varinha de condão'... vejamos como a utiliza, se com dom de criação se com alguma veleidade destrutiva.

Um abraço forte

platero disse...

Rui

julgo notório o desaparecimento de anfíbios - sobretudo sapos e salamandras
Sempr vivi no campo, sempre mexi na terra, sempre me encantei com essa bicharada.
As próprias rãs aqui onde eu vivo, a 50 metros duma ribeira poluida, mesmo essas deixaram de se fazer notar nas noites de verão - intermináveis cantorias.
Os agricultores não se apercebem disso, ou estão-se nas tintas para as rãs ou para os sapos. Mas, Rui, tu sabes como eu que a coisa começa mesmo a estar grave de maneira irreversível

grande abraço, enquanto podemos respirar

Rui Miguel Félix disse...

Enquanto podemos respirar, respiremos, devagar...

Neste momento é a base da cadeia que nos preocupa. Aquele limiar do rasteiro que de tão limiar que é volve-se demais imperceptível à sensibilidade do actual Homem de consumo. Lembro-me dos ‘agricultores’, como dizes, aqueles agricultores auto-denominados com ‘A’ a seu ver maiúsculo. A nosso ver, creio, certamente nem preocupados com isso.

E lembro-me do Krill...
Base de uma cadeia alimentar da qual dependem directamente inúmeros seres vivos. Tome-se o exemplo da baleia-de-bossa, que atravessará 6000 km de oceano (a maior migração terrestre) para dar de caras com a dispensa vazia...

Bom, serpenteando em espiral próxima do conhecimento, dispõe a humanidade de tudo aquilo que se poderia considerar como fundações para um futuro da economia de recursos, para muitos tida como anárquica, para outros como viável possibilidade que visa a eficiência dos recursos sustentabilizado-os.

Com a tecnologia actual temos a capacidade de produzir 3 (ou 4) zeta-joules de energia extraída directamente do calor interno da Terra via geotermalismo… Esses 3 ou 4 zeta-joules de energia seriam suficientes para “alimentar” as necessidades actuais para 10.000 anos! O aproveitamento do calor interno da terra como fonte primordial de energia, é, virtualmente infinito!

Mas sabemos que na base de tudo está uma primitiva forma de interesse que, desde a sedentarização, continua a trocar os seus excedentes de produção trocando-o por conchas… e esta troca é, na actualidade, o verdadeiro dogma obscurantista que trava a emancipação da humanidade.

Abraço Platero, grato pelo diálogo.

frAgMentus disse...

confesso-me saudosa destes diálogos á Félix ;)

bj p ti, Sereia e Platero