O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 21 de outubro de 2009

argumentação de Saramago

Deus andava não se sabe por onde.
De repente lembra-se de fazer o MUNDO
Faz em 6 dias
Ao 7º- descansa

Ou entra em Greve?
Ou em Lay Out, ou lá o que é aquilo?

e antes de se lembrar de fazer o MUNDO
o que fazia?

a IGREJA não gosta
que Saramago tenha regressado à curiosidade de miúdo
:
o que é isto? mas como é Deus?
onde é que dorme?
é casado? está desempregado?
tem carro? paga impostos?

e prepara-se para lhe baixar as calças
e dar-lhe
duas palmadas no rabo.

entre os que acreditam
que são filhos de Deus
não falta quem aplauda

8 comentários:

Paulo Feitais disse...

O Saramago leu a Bíblia, ao contrário da esmagadora maioria dos católicos. E parece que, lá no seu tempo, o J.C. também leu e não gostou. Até mandou escrever uma outra metade, a uns fulanos barbudos que também inventaram da sua lavra umas quantas coisas que permitiram queimar gente nas fogueiras de todas as inquisições, santas ou não. E para além de todas as outras malfeitorias que se fizeram, fazem ou farão. Com preservativo ou não.
Independentemente de tudo o mais, José Saramago é hoje uma voz lusófona verdadeiramente digna de respeito (e o verrumar dos piolhos é um problema de quem os pastoreia no couro cabeludo, mas na farmácia há bom remédio para isso), porque é uma voz que não se cala e só faz aquilo que é natural: ser a expressão dum pensamento livre, sem teias de aranha nos esconsos e que não se curva perante nenhuma potestade (humana ou não). Coisa que, se todos os homens fossem capazes de exercer, livraria o mundo de todas as tiranias e de todos os desconcertos.
Diferente dessa voz é o arfar dos moralismos que semeiam no mundo aquilo que se vê. E acho que Saramago é um grande escritor, talvez um dos poucos nossos contemporâneos que continuarão a ser lidos daqui a 25 anos.

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
baal disse...

é mesmo verdade amigo platero, mas porque não? não foi jesus uma criança 'sem infância'? nasceu na palestina (hoje quantos lá não têm infância)?
a igreja devia estar calada... saramago não é um hermeneuta e tem todo o direito de sentir a injustiça de deus.
os católicos deviam preocupar-se com os negócios do vaticano e com o papa que calça prada deixando o saramago em paz, no fundo todos somos crianças e consideramos deus injusto.

platero disse...

Não sou ateu, nem herege, bem como não professo qualquer religião.
como não sou seguidor de qualquer club de futebol, ou guru, ou ícone político
às vezes leio a Bíblia. desde há muito tempo não. mas do que li deu para entender a diferença entre Velho e Novo Testamentos.
Jesus, ao que entendi, teria vindo ao mundo um pouco para destruir o deus velhaco, vingativo, cruel de Saramago e do Velho Testamento.

lembro-me de ter lido, estou seguro, que o chamado deus dos exércitos, ou da guerra, tinha, por vingança de ter sido desobedecido ou mal amado pela população de uma determinada cidade, lançado a maldição de uma "pandemia" de Hemorroidal
ora um deus desta natureza não é só cruel como sádico, no mínimo

se é este o ser supremo em que Saramago não acredita nem sentiria vontade de seguir, eu estou com ele.
sem hesitar um só segundo.
o que não me parece que seja assim

Damien disse...

Deus tem fé em que Saramago acabe por conseguir provar a toda a gente a não-existência dum José dos porcos que, dizem, ganhou o Nobel da Cegueira.

Então serão colocados os pontos nos iiii e os finais de parágrafo terão direito a ponto de cruz.

A edição das obras ficará sempre incompleta, pois Saramago deixou, algures em Lazarote, uma "Arca de José de Arimateia e seus irmãos templários", seu romance póstumo.

Mas o homem tem razão: Deus não existe. Quem existe somos nós, quando o lemos.

Pior para Deus. Tivesse previsto. Saramago, claro.

João de Castro Nunes disse...

No meu fraco entender, o Saramago estava previsto pelo Criador para nos cabo da paciência e nos castigar de alguma malfeitoria que lhe tenhamos feito. A nosso respeito... deve ter alguma areia no sapato! Cá se fazem... cá se pagam! Somos um país do carago! JCN

João de Castro Nunes disse...

Ao que suponho, o Saramago deve ter lido ambos os Testamentos... com óculos de arame, hábito que lhe ficou dos tempos de serralheiro. Só pode!... JCN