O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Cântico de Azarias

[Nabucodonosor irou-se e decidiu lançar os três jovens na fornalha ardente. Mas... o que aconteceu? Vejamos:]

Então, passeavam no meio das chamas, louvando a Deus e bendizendo o Senhor. Azarias, de pé no meio das chamas, fez esta prece:

Bendito e louvado sejas, Senhor, Deus dos nossos pais!
Que o teu nome seja glorificado pelos séculos!
És justo em toda a tua conduta para connosco;
as tuas obras são rectas, os teus caminhos rectos, e os teus juízos equitativos.
Fizeste um juízo equitativo em tudo o que nos infligiste e em tudo o que infligiste à cidade santa de nossos pais, Jerusalém;
é por efeito dum juízo equitativo que nos infligiste tudo isto, por causa dos nossos pecados.
Pecámos, prevaricámos, afastámo-nos de ti;
em tudo temos procedido mal;
e não observámos os teus mandamentos.
Não os temos posto em prática, não temos observado as leis que nos deste e que eram para nossa felicidade.
Em todos os males que mandaste sobre nós, em tudo o que nos infligiste, foi uma sentença justa que aplicaste.
Entregaste-nos nas mãos de injustos inimigos, de ímpios encarniçados, sem lei, e a um rei, o mais iníquo e perverso de toda a terra.
Agora não ousamos mais abrir a boca.
Vergonha e infâmia acabrunham os teus servos e todos os que te adoram.
Pelo teu nome, não nos abandones para sempre, não anules a aliança.
Não nos retires a tua misericórdia, em atenção a Abraão, teu amigo, a Isaac, teu servo, aos quais prometeste multiplicar a sua descendência como as estrelas do céu, e como a areia das praias do mar.
Senhor, estamos reduzidos a nada diante das nações, estamos hoje humilhados em face de toda a terra, por causa dos nossos pecados.
Agora não há nem príncipe, nem profeta, nem chefe, nem holocausto, nem sacrifício, nem oblação, nem incenso, nem um local para te oferecer as primícias e encontrar misericórdia.
Que pela contrição de coração e humilhação de espírito, sejamos acolhidos, como se trouxéssemos holocaustos de carneiros e de touros e de milhares de cordeiros gordos.
Que este seja hoje diante de ti o nosso sacrifício;
possa ele reconciliar-nos contigo, pois não têm que envergonhar-se aqueles que em ti confiam.

É de todo o coração que agora te seguimos, te veneramos e procuramos a tua face;
não nos confundas.
Trata-nos com a tua doçura habitual e com todas as riquezas da tua misericórdia.
Livra-nos pelos teus prodígios e cobre de glória o teu nome, Senhor.
Que sejam confundidos os que maltratam os teus servos, que sintam vergonha ao verem-se sem poder e aniquilados na sua força.
Assim, saberão que Tu és o Senhor Deus único, glorioso em toda a superfície da terra!

Entretanto, os servos do rei, que os tinham lançado na fornalha, não cessavam de a aquecer com nafta, estapa, pez e lenha seca. As chamas, que então subiam a quarenta e nove côvados acima da fornalha, desviando-se, queimaram os caldeus que se encontravam junto dela.
O anjo do Senhor, porém, tinha descido até Azarias e seus companheiros e afastava o fogo da fornalha. Transformou o centro da fornalha num lugar onde soprava como que uma brisa matinal: o fogo nem sequer os tocou e não lhes causou qualquer mal nem a menor dor.

Dn 3, 24-50

11 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Eu, fazendo-me sonso, perguntei... só para alimentar o fogo da conversa. O "Caminhante" caiu... na esparrela! Ainda bem... porque há muito boa gente que nunca "cheirou" a Biblia, a começar pelo Saramago, que só conhece a dele... à sua dimensão ou conveniência. Como, por usar óculos de arame, tem dificuldade em ler, "inventa". Que imaginação!
E a gente que o ature! Quando é que se decide a deixar de vez este país... do carago! JCN

João de Castro Nunes disse...

Senhor CAMINHANTE: bom era que "o Deus dos nossos pais" e nosso também nos livrasse do tremendo (a)fogo em que estamos a viver neste país atormentado pelas ameaças de o senhor Saramago mudar de nacionalidade e se transferir de armas e bagagens para a vizinha Espanha, a de "los caballeros". Lá se nos vai o Nobel! Que (a)fogo! JCN

Damien disse...

Quando a alma é pão vivo e sarça que arde mas se não consome, ela é fogo em que o Fogo se revisita, e nada pode então causar-lhe dano ou fazer ela (algo/algum) mal.

"Trata-nos com a tua doçura habitual" - diz-se aqui.

(Saramago não deve ter lido esta passagem!)

João de Castro Nunes disse...

É que ele é... vesgo: só vê para um lado! JCN

baal disse...

que grandes amigos contra o saramago deve ser porque o homem é um revolucionário sem medo (qual general humberto delgado). a do general é para o jcn perceber. é do tempo dele.
não utilizo vírgulas em homenagem.

João de Castro Nunes disse...

Sem medo... não; sem vergonha! JCN

João de Castro Nunes disse...

A "homenagem"... é para quem?!... É para o general (desvirgulado) ou para o Saramago... com vírgilas a mais?... Bom era saber-se. JCNN

Damien disse...

Baal, uma coisa é conduta, outra os mais ínvios e injustificáveis redutos da mesma.

Uma coisa é o público indulto de que Saramago se mostra incapaz, relativamente a toda a mágoa passada; outra, a estultícia de ele pensar que o que quer que seja é alguma coisa perante o eterno que haja ou Eterno que É.

Isso é soberba.
E é o que ele (também)é: arzinhos de vítima, com palavras de inquisidor-mor.

Nada disto, obviamente, lhe retira a razão que ele tenha, no que a tem. (Nisso é todo o mais iletrado mortal igualzinho ao José da novela do Nobel.)

A razão é propriedade de ninguém: é cega, surda e muda aos nossos caim, caim de vira-latas da verdade jamais inteira.

João de Castro Nunes disse...

Tudo o que havia a dizer sobre a Bília, tanto a favor como contra, já foi dito... e redito. Faltava apenas a leitura do Saramago... com óculos de arame, para ver enviesado ou distorcido. Valha-o Deus... e a nós também! Quem tem pachorra?!... Para combater insónias... antes o "Capital" e quejandas velharias, deportadas por Putin para a China capitalista. Ar fresco e ventos de libetrdade, senhor Zé Saramago! E limpe os óculos ou reveja a graduação. Arranje umas armações... mais em consonância! JCN

baal disse...

jcn, recordo 'o ano da morte de ricardo reis' no qual 'se bem me lembro' a única pontuação é o ponto final 'continuado', posso estar enganado.

damien, o que impressiona é a imensidão de disparates contra josé, que, como disse, não é mais que um josé perante um livro, a humildade de não ser um exegeta. deus é sempre o mais infímo que podemos imaginar. a biblia não é deus, nem fala por deus.

João de Castro Nunes disse...

Cada burro... com a sua albarda! JCN