O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 19 de outubro de 2009

penhor de meus longos suspiros

Se em algum tempo se achar este livrinho na mão de
pessoas alegres, não o leiam, que, porventura,
parecendo-lhe que seus casos serão mudaveis, como os
aqui contados, o seu prazer lhe será menos prazer. Isto,
onde eu estivesse, me doeria, porque assaz bastava eu
nascer para minhas mágoas, quanto mais ainda para as
d'outrem. Os tristes o poderão lêr: mas ahi não os houve
mais, homens, depois que nas mulheres houve piedade;
mulheres, sim, porque sempre nos homens houve
desamor: mas para élas não o faço eu, pois que o seu mal
é tamanho que se não póde confortar com outro nenhum.
Para as mais entristecer, sem-razão seria querer eu que o
lessem élas; antes lhes peço muito que fujam d'êle e de
todas as cousas de tristeza, que, ainda com isto, poucos
serão os dias que hão de poder ser ledas,--porque assim
está ordenado pela desventura com que élas nascem.
Para uma só pessoa podia êle ser; mas d'esta não soube
eu mais parte, depois que as suas desditas, e as minhas,
o levaram para longes terras estranhas, onde bem sei eu
que, vivo ou morto, o possue a terra sem prazer nenhum.
Meu amigo verdadeiro, quem me vos levou tam longe?
Vós comigo, e eu convosco, sós, sabiamos suportar
nossos grandes desgostos, e tam pequenos para os de
depois! A vós, contava eu tudo. Como vós vos fostes, tudo
se tornou tristeza; nem parece senão que estava
espreitando já que vos fosseis. E para que tudo mais me
magoasse, nem tam sómente me foi deixado, em vossa
partida, o conforto de saber para que parte da terra ieis,
porque descansariam os meus olhos em levarem para lá a
vista!
Tudo me foi tirado no meu mal; remedio nem conforto,
nenhum houve ahi. Para morrer mais depressa, me pudera
isto aproveitar; mas, para isso, não me aproveitou. Ainda
convosco usou a vossa desventura algum modo de
piedade (dos que não costuma ter com nenhuma pessoa)
em vos alongar da vista d'esta terra; pois que, se para não
sentirdes mágoas não havia remedio, para as não
ouvirdes vo-lo deu. Coitada de mim, que estou falando, e
não vejo eu agora que leva o vento as minhas palavras, e
que me não póde ouvir a quem eu falo! Bem sei eu que
não era para isto a que me agora quero pôr; que o
escrever alguma cousa pede muito repouso; e a mim as
minhas mágoas ora me levam para um cabo, ora para
outro; trazem-me assim, que me é forçoso tomar as
palavras que me élas dão, porque não sou tam
constrangida a servir o engenho, como a minha dôr.



D'estas culpas me acharão muitas n'este livrinho: mas da
minha ventura foram élas. Ainda que, quem me manda a
mim olhar por culpas, nem por desculpas?
O livro ha de ser do que vae escrito n'êle. Das tristezas
não se pode contar nada ordenadamente, porque
desordenadamente acontecem élas. Tambem, por outra
parte, não se me dá nada que o não leia ninguem; que eu
não no faço senão para um só, ou para nenhum; pois
d'êle, como disse, não sei novas, tanto ha.
Mas, se ainda me está guardado, para me ser em algum
tempo outorgado, que este pequeno penhor de meus
longos suspiros vá ante os seus olhos, muitas outras
cousas desejo, mas esta me seria assaz.


Menina e Moça, Bernardim Ribeiro

6 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Quem de nós... não foi alguma vez um Bernardim?!... Há quem o seja... a vida inteira. Desses é que se prevalece o padrão português. JCN

saudadesdofuturo disse...

Decerto penhorados estão, os meus... ao Silêncio depois da Fala.

...Aqui há uns anos pensei que a minha tese havia de ser sobre "Menina e Moça".

Depois deixei de pensar nisso.
Ainda não era Saudades! Nem Nada...

Um beijinho.

João de Castro Nunes disse...

O mal para todos nós... foi ter deixado de pensar nisso! JCN

antiquíssima disse...

Porque e por quem foi levada a menina e moça de casa de seus pais para longes terras? Porque começa de modo muito semelhante um texto gnóstico, o "Canto da Pérola"? De onde nos levaram para o aqui onde nos trouxeram?

João de Castro Nunes disse...

Pergunta por saber ou para saber?!... JCN

João de Castro Nunes disse...

A cultura específica de um povo é o que fica... depois de retirado tudo o que lhe é comum com os demais. Que temos nós... que seja apenas nosso... para além de uma entranhada propensão para a inveja?!... Chega a "saudade"? JCN