O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 24 de outubro de 2009

Quanto mais amas, mais te dás. Dar-te-ás ao que amas?

16 comentários:

João de Castro Nunes disse...

À minha "alma gentil"... dei-lhe todos os segundos da minha vida. Façam-lhe a conta! A Deus... só Ele sabe! JCN

Damien disse...

Grande amor, o seu, JCN!

Há que, talvez, "matá-lo", para nele mais pleno "morrer", gentil, qual a alma (a) que se deu.

Respeito e admiração.

Caminhante disse...

O que é darmo-nos a Deus, caro JCN? Elucide-me (falo a sério).

João de Castro Nunes disse...

"Nem Pedro... amou assim a sua Inês" JCN

Caminhante disse...

Sou da opinião, JCN, que o outro deve ser a figura central da nossa vida. Embora, como humano repleto de falhas, nem sempre - ou a maioria das vezes - consiga agir de acordo com o que agora digo. Talvez tenha que matar o meu egoísmo, "matar-me a mim mesmo". Tarefa difícil.

João de Castro Nunes disse...

Darmo-nos a Deus, senhor Caminhante?!... Não há palavras. Só Ele... o sabe! Descubra... por si! JCN

Caminhante disse...

Não é num instante, mas é no instante.

João de Castro Nunes disse...

Eu cheguei Lá... por Ela, a "minha alma gentil"!

João de Castro Nunes disse...

Muitos são os caminhos... para Lá chegar. Ouça este desabafo... numa curva da estrada:

FALAR COM DEUS

Meu Deus! ai se eu soubesse em minha lira
dizer-te o que me vai no interior,
naturalmente como quem respira,
sem ter de estar meus versos a compor;

ai se eu pudesse abrir-te o coração
em frases de cadências musicais,
exactamente como as tuas são,
fluentes, espontâneas, naturais;

só que eu, meu Deus, temendo destoar
do modo que tu tens de te expressar,
há tanta coisa em mim que te não digo...

Se eu soubesse falar à tua moda,
havia de passar a vida toda
horas e horas... a falar contigo!

JOÃO DE CASTRO NUNES

Caminhante disse...

Talvez Deus fale a linguagem dos sentimentos, JCN.

Caminhante disse...

Obrigado por despoletá-los.

Caminhante disse...

Publiquei agora mesmo uma reflexão n' A caminhada, que me ocorreu devido ao diálogo que tem ocorrido nesta caixa de comentários. Diz assim:

Deus não é um ele nem ela. Existirá alguma palavra apropriada para falar de Deus? Mais importante do que falar de Deus é falar com Deus. Mas que realidade é esta que parecemos desconhecer e, ao mesmo tempo, conhecer tão intimamente?

baal disse...

jcn agora és amigo do damião, se o nietzsche soubesse chamava-te bufão. cresce e aparece.

Damien disse...

Há aqui alguma divisória entre "amigos" e "imigos", baal?
Estamos de "capelinhas" montadas?
Nem parece seu...

João de Castro Nunes disse...

No dia em que te reclamares de pessoa de nobres sentimentos, não terei qualquer relutância em te apertar a mão... de luva descalçada. Mesmo que continues devoto de Saramago e de Estaline. Podes escrever! JCN

João de Castro Nunes disse...

Meu caro BAAAL: estou-me nas tintas para o Nietzche, que nunca vi mais gordo! Lembre-se que, se não tivesse existido tal sujeito, também não teria havido Hitler, que é um produto das suas estapafúrdias congeminações! Raça de víboras! JCN