O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 10 de outubro de 2009

NEVOEIRO


denso impenetrável
enrolado em novelo

cego nevoeiro
quase impossível
vê-lo

7 comentários:

saudadesdofuturo disse...

Platero, uso algumas das tuas palavras para pensar, em palavras e em silêncios, o belo texto que trazes.


Do denso nevoeiro
de onde se não vêm senão ausências
plenas, desse lugar sem tempo
Que também é a poesia
E as palavras: névoa e nevoeiro
Em silêncio são a ace densa do nevoento dia.
A sombra no chão de um nevoeiro
enrolado, como um casulo,
um fruto
de sabor impenetrável e apetecido: impossível não vê-lo.

Um beijo de Saudade
O meu "voto" para que o seja.

platero disse...

saudades

hoje de manhã estava mesmo nevoeiro
O que me ocorreu foi próximo do que dizes, de maneira mais simples, menos poética, mais pragmática:
Tão denso, talvez como matéria negra
- toda a gente sabe que existe mas nunca ninguém viu.
evidente também é que o teu inesperado comentário agiganta o minúsculo simulacro de poema

bjº

saudadesdofuturo disse...

Não digas isso!
Saúde!

soantes disse...

Névoa certeira e densa
Que não vendo vê
Mais do que se pensa
O como e o porquê.

platero disse...

olha o Cipião
(não era este o africano?)
estamos à espera de surrealistas
fotos
e
poemas- Fotopoemas

João de Castro Nunes disse...

Que trio... em perfeita rima: Cipião, Sebastião e Damião! De quem se espera... em dia de nevoeiro?!... JCN

João de Castro Nunes disse...

Já lá vai o nevoeiro,
já o sol se levantou,
mas o tal... não regressou
disfarçado ou verdadeiro!

JCN