O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

diferença

"Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo.
Mal de te amar neste lugar de imperfeição,
Onde tudo nos quebra e emudece,
Onde tudo nos mente e nos separa."


Sophia de Mello Breyner Andresen,

5 comentários:

Kunzang Dorje disse...

então onde fica o lugar da perfeição, o lugar da verdade onde tudo nos une através de um amor objectivo e imparcial? Esse lugar chama-se Anaedera;)? Como chegar lá?
beijos

Anaedera disse...

A Anaedera, retorna-se.

Se procuras o lugar aonde governa a verdade, aonde se busca a perfeição e aonde o amor imparcial une os seus habitantes, então nunca de lá saíste!

E é tão fácil lá chegar!

Bem vindo

João de Castro Nunes disse...

Chega.se lá, Senhor KUNZANG, pela Poesia... pura e verdadeira, suponho eu. JCN

saudadesdofuturo disse...

Anaedera,

... Verdadeiro é o Amor que faz diminuto o "eu" e derrama beleza sobre a imperfeição dos dias que se põem devagar... e enche de virtude os campos e os olhos do Poeta, como duas pedras incendiadas, a olhar a distância...

Não mente nem separa o Amor que a todos cobre da mesma luz: matéria de estrelas; pó de esperança, futuros frutos de Saudade. Genesíaca fonte do tempo sem idade; lugar sem tempo, a Poesia.

Um sorriso tardio:-)

João de Castro Nunes disse...

Que bela e poética maneira de escrever! JCN