O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Vista de Constantinopla ao Luar


Ivan K. Aivazovsky, 1846

6 comentários:

Kunzang Dorje disse...

Istambul e Lisboa: duas cidades, mas um sentimento. As duas cidades são marcadas pelo mar. Istambul é uma cidade cortada pelo estreito do Bósforo e que perdeu a sua unidade. Uma cidade com dois lados, um europeu e um asiático, uma cidade perdida na sua extensão dialética entre Oriente e Ocidente. Parecida com Lisboa. Também aqui se pode encontrar uma extensão que pesa incessantemente no seu ânimo: esta relaciona-se com ele tal como o finito com o infinito. Nesta conexão se manifesta o finito como a terra firme portuguesa, que segura como ponto extremo o continente europeu. Mas nas costas do finito já se sente o infundado, o abismo: este é o Tejo e o oceano ainda vindo (?), aparecendo infinito.

Cem Komurcu, Melancolia em Istambul e Lisboa, Nova Águia Nº3

baal disse...

o rio da minha aldeia (sado) é mais bonito que o da tua tejo).
a separação, outra escala, é fundamento da unidade, como a diferença é condiçao da universalidade.

Kunzang Dorje disse...

tu e eu somos diferentes mas (e) iguais...

baal disse...

mas é na diferença que somos, o que nos define é a nossa diferença. não o eu. a diferença como o único transcendental.

Paulo Borges disse...

Belíssima imagem! O meu amigo Cem ficaria muito feliz se soubesse que o seu texto foi recordado num blogue português, ele que ficou fascinado por Portugal.

soantes disse...

Bela imagem, sim senhor. Um exemplo intenso do sentimento romântico. Transversal.