O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 10 de novembro de 2009

soubesse eu de contabilidade
e saber contar as vezes que morri em vão
aqui
nesta tela invisível
como quem rouba lá no alto
o peixe e o pão às gaivotas

3 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Pobres gaivotas!... JCN

Sereia* disse...

:)

os números não são mistérios acessiveis a todos nós, comuns mortais.
É uma verdade com que vivo.
Não gosto deles, regra geral, e não os procuro, porque me dizem sempre coisas que prefiro não saber. Nem sempre são verdades, nem sempre são mentiras, mas são sempre coisas que não me deixam mais feliz e, só por isso, reservo-me o direito de não os procurar entender.

Gostei muito do post*

João de Castro Nunes disse...

Que se entende por "gostar"?!... JCN