O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Hakuin Zenji: Canção do Zazen

Poema do Dharma, por Hakuin Ekaku [1685 – 1768]

(Traduzido a partir da versão em inglês de Robert Aitken Roshi - Diamond Sangha Zen Buddhist Society, pela Delegação do Porto da UBP)

Todos os seres por natureza são Buda,
tal como o gelo por natureza é água;
à parte da água não há gelo,
à parte dos seres não há Buda.
Que pena as pessoas ignorarem o que está próximo
e procurarem a verdade no longínquo,
como alguém mergulhado na água
lamentando-se com sede,
ou uma criança de uma casa abastada
vagueando entre os pobres.
Perdidos nos caminhos sombrios da ignorância
vagueamos através dos seis mundos,
de caminho sombrio em caminho sombrio vagueamos,
quando estaremos livres do nascimento e da morte?
É por isto que o zazen do Mahayana
merece o mais alto apreço:
oferendas, preceitos, paramitas,
Nembutsu, expiação, prática –
as muitas outras virtudes –
todas brotam dentro do zazen.
Aqueles que tentam o zazen ainda que uma vez
limpam imensuráveis crimes –
onde estão então todos os caminhos sombrios?
A própria Terra Pura está próxima.
Aqueles que ouvem esta verdade ainda que uma vez
e a recebem com um coração grato,
estimando-a, venerando-a,
ganham bênçãos sem fim.
Quanto mais se tu te viras
e confirmas a tua própria natureza –
essa natureza é não natureza –
estás muito para lá de meros argumentos.
A unidade de causa e efeito é clara,
não dois, não três, o caminho é correctamente estabelecido;
com forma que é não forma,
indo e vindo – nunca perdido,
com o pensamento que é não pensamento,
cantar e dançar é a voz da Lei.
Ilimitado e livre é o céu do samadhi!
Brilhante a lua cheia da sabedoria!
Faltará porventura agora alguma coisa?
O nirvana é aqui, perante os teus olhos,
este próprio lugar é a Terra do Lótus,
este próprio corpo o Buda.

8 comentários:

Paulo Borges disse...

Cantar e dançar é a voz da Lei!

Boa notícia!

QuasiCentelha disse...

... e em boa hora despertemos para além dos sonhos e dos desejos.

Boa noite!

saudadesdofuturo disse...

Canto e danço, sigo a Lei...

Bom dia e um beijo, Paulo.

baal disse...

não sei dançar nem cantar sou a excepção, mas toda a lei precisa de uma excepção. até o budismo é necessidade.

Kunzang Dorje disse...

tocar um instrumento musical não será uma de inúmeras formas de cantar e dançar? ... despir peles cantando com dedos em cordas e dançando com golpes de arco...

Paulo Feitais disse...

sermos a canção que a manhã traz...
Hoje o teu canto cantou-me, Paulo.
Não digo 'encantou-me' porque essa palavra é um caracol silábico: está danada por deixar sair, ao sol deste poema, os cornos gulosos da ilusão.
:o)

Damien disse...

"Faltará porventura agora alguma coisa?" - pergunta Hakuin.
E ele mesmo responde, antes sequer de perguntar:

"Ilimitado e livre é o céu,
Brilhante a lua cheia."

E vai, e vem, "cantando e dançando":

"O nirvana é aqui:
este próprio lugar
este próprio corpo"

Paulo Borges disse...

Cantare volo, saltate cuncti!

Quero cantar, dançai todos!

(fragmento de hino priscilianista)

Abraços dançarinos a todos!

Permitam-me dizer que apreciei muito o comentário do Paulo, cheio de espírito