O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 3 de novembro de 2009

viver no mundo

uma criança no escuro, transida de medo, tenta acalmar-se cantando. anda, pára ao ritmo da cantiga. perdida, abriga-se como pode ou orienta-se como consegue com a cançãozinha. esta é o esboço de um centro estável e calmo, estabilizante e calmante, no amâgo do caos. é provável que a criança salte ao mesmo tempo que canta, acelera ou retarda o andamento; mas já é a canção que é ela própria um salto: salta do caos para um início de ordem no caos, também arrisca deslocar-se a cada instante. há sempre uma sonoridade no fio de ariana. ou então o canto de orfeu.


gilles deleuze, mil planaltos, capitalismo e esquizofrenia2

5 comentários:

saudadesdofuturo disse...

Um sorriso, baal:)

Tento acalmar-me canto e já sou a canção e o caminho que me perde... e salto do caos para a ordem e oiço crescer os cabelos de Ariana, como um vestígio de mim... e tento ouvir Ulisses, ou a Sereia... ou tão só o deus baal, que me acalma...

Um abraço.

João de Castro Nunes disse...

"fio de ariana", senhor BAAAAL?!... Não conheço. Ariana... só conheço uma: a malfadada "Ariana Lusitana"... da NOVA ÁGUIA. Ariadne, senhor BAAAL, Ariadne! Dobre a língua! JCN

baal disse...

ó jcn é um erro da tradução de arianne para ariana, como deves calcular não fui eu que traduzi.

um conselho: dedica-te à pesca... a pescar no mondego ' o basófias' deves sentir-te em casa.

João de Castro Nunes disse...

Bom conselho! Só peca por tardio. Já passei da idade. De resto, como dizia o nobre senhor de Góis, "não pesco peixe... pesco tempo"! Pesque vossemecê, senhor BAAAL, tento na bola! JCN

baal disse...

pois é saudades

aqui não é possível pensar sobre o mundo racionalizar, reflectir, mas pensar a partir dele e com ele - agenciar, criar
baal a defender a filosofia como acto criativo, a poesia é defendida pela saudades (e joana).
um abraço e um sorriso, saudades