O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 25 de maio de 2009

MANIFESTO

proletários deste miserável país
unamo-nos

todos os que devemos
abaixo de mil euros
juntemo-nos
federemo-nos
fundemos nosso próprio Banco

tomemos
nossas dívidas por quotas
calotes por ações
devamos em conjunto
não mil
mas mil milhões

reclamemos
às portas de S. Bento
para o Hall de entrada
do Banco de Portugal:
Socorro
este é o nosso Banco
estamos com a corda na garganta

Na impossibilidade física
comercial
de distribuírem
um pequeno baraço
a cada devedor
não tarda nos abordarão
não só para nos cortar a homicida corda da garganta
como para ver se alguém
ficou com marcas
nas carótidas

2 comentários:

Lapdrey disse...

O Estado "moderno" transformou-se, na verdade, caro Platero, numa espécie de Grande Prostituta especializada no maior dos despudores: a rapina, sistemática e sem vergonha, do cidadão (espécie de "accionista" da pólis), que fica sempre a perder neste negócio ruinoso que é "o Estado somos(todos) nós".
Treta das tretas!

Quanto mais espolia o cidadão a quem deveria em exclusivo servir, mais também o Estado (verdadeira hidra de Lerna) se acha no iníquo direito de incumprir, com a mais plácida desfaçatez, o contrato das leis que ele mesmo - pela mão dos seus tão prestimosos quanto interessados serviçais - conluiou para seu (do Estado e deles) benefício.

Deles, claro, corja politiqueira, que os votantes (espécie de ingénuos sistemáticos na reincidente recaída) têm a estupidez de eleger e reeleger,sendo certo que são eles o verdadeiro Estado, e causa exclusiva do estado de sítio e de emergência em que nos vemos hoje quedados.

Vade retro, canalhada!

platero disse...

Lapdrey

grato pela leitura, que me leva a eu-próprio entender melhor o meu recado