O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 3 de janeiro de 2010

A Luso-fonia...

Publico este apontamento da Wikipédia, como mera nota a que hei-de voltar, para mostrar que a Lusofonia nada tem a ver com o que dela se diz e muito menos com a instrumentalização política neonacionalista que dela se pretende fazer, reduzindo-a a uma mera aproximação linguístico-cultural despida do profundo sentido originário de mutação e libertação das consciências:

"Actualmente pensa-se que a suposta existência do personagem mitológico Luso deriva de um erro de tradução da expressão «lusum enim Liberi patris», na obra Naturalis Historia de Plínio, o Velho. O erro terá sido a interpretação da palavra lusum ou lusus como nome próprio, em vez de um simples substantivo que significa jogo.

Numa tradução livre desta obra: «M. Varro informa-nos que (...) o nome "Lusitânia" deriva dos jogos (lusus) do Padre Baco, ou da fúria (lyssa) dos seus acólitos frenéticos, e que Pã era o governador de toda a região. Mas as tradições respeitantes a Hércules e Pirene, bem como Saturno, parecem-me absolutas fábulas.» [1]

Isto teria sido lido por André de Resende como «(...) o nome "Lusitânia" deriva de Luso do Padre (mestre ou pai) Baco (...)», e portanto foi interpretado que Luso seria um companheiro ou um filho do furioso deus. É esta a leitura que se vê na estrofe 22 do Canto III d'Os Lusíadas de Camões:

Esta foi Lusitânia, derivada
De Luso, ou Lisa, que de Baco antigo
Filhos foram, parece, ou companheiros,
E nela então os Íncolas primeiros.

Segundo a mitologia romana, Baco teria sido o conquistador da região. Plutarco, segundo o 12.º livro da Iberica do autor espanhol Sóstenes[2], diz que:

«Depois de Baco ter conquistado a Ibéria, deixou Pã a governar como seu representante, que deu o seu nome à região, chamando-a de Pania, que por corruptela se tornou em Hispânia.»

A expressão grega lyssa significará "fúria frenética" ou "loucura", típicas de Baco/Dioniso. No entanto, estas etimologias parecem ser pouco confiáveis"

----
1 - 1,0 1,1 Naturalis Historia, Plínio, o Velho (eds. John Bostock, M.D., F.R.S., H.T. Riley, Esq., B.A.) (em inglês)
2 - Lorenzo Hervás, Catálogo de las lenguas de las naciones conocidas, vol. IV, parte II, 1804, p. 106

8 comentários:

Fausta disse...

Parto o coco a rir...

Julio Teixeira disse...

Algo soa remotamente a um tempo em que Baco com deus poderia ter um filho chamado Ulisses, que com sua esposa Ulissipa teriam fundado Lisboa ou Boa Lis...

platero disse...

Cá na minha, Baco é que ainda não deixou de governar. pelo menos a parte mais ocidental

abraço

saudadesdofuturo disse...

A Luso-fonia, compete-me a mim agora "especular";) era irmã da "Luso-folia" que, por sua vez, era filha de Paulos...

(Aqui entra a realidade,para que o mito seja válido)

...que por sua vez era "irmão" de Maria que tem um filho chamado Ulisses...

Quanto à Lis, dizem que é da mesma origem de Luz... :))

Quanto ao governo da pátria ser o de baco... aí... dúvido...:)
Então e onde é que fica aqui o baal??

(fim de brincadeira ou de folia)

P.S. Alguém falou em partir cocos??

Um abraço alentejanizado, aromatizado com poejo e coentros?
Só falta o Rui Félix...

P.S. A Serpente está bem!(um sorriso)

João de Castro Nunes disse...

TODO O EFEITO TEM CAUSA

Se de Baco Luso é filho,
estamos todos tramados
e metidos num sarilho
desde tempos recuados,
sendo a razão de aina agora,
quer seja noite ou aurora,
andarmos etilizados
como o caso terá sido
do Pessoa referido
por andar sempre bebido
e fazer versos regados
com bagaços redobrados!

JCN

João de Castro Nunes disse...

Meu caro amigo Júlio Teixeira: a cavalaria não justifica tudo! JCN

João de Castro Nunes disse...

O caso não é para menos, Fausta: o patranheiro André de Resende até o Camões enganou! JCN

João de Castro Nunes disse...

Da Luso-fonia à Luso-folia:

Mas que grande confusão
entre fonia e folia
que em comum não têm senão
o termo que as inicia!

A não ser que, na verdade,
tudo não passe de um jeito
de entreter a vacuidade
dando voltas ao conceito.

Para me expressar a sério,
já parece um caso ugual
ao chamado Quinto Império
de tamanho universal.

E com esta me despeço
até à próxima altura
porque senão adormeço
fazendo triste figura!

JCN