O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Desabrigado

Em criança pensava que algumas pessoas nasciam nas esquinas outras na maternidade.Quem nascia na maternidade crescia devagar, quem vinha da esquina nascia com rugas – morria sem dentes.
Da janela do meu quarto via o senhor José todos os dias. Umas vezes deitado, enroscado feito criança. Doutras sentado de olhos fechados. Nas pernas o chapéu barrento pedia a esmola. Na boca um obrigado apressado. Não me lembro de o ver comer. Não sei de cor o cheiro daquele homem que acompanhou minha infância. Sinto frio quando me lembro do seu corpo durante o Inverno. No chão, restos de papelão. No corpo, um cobertor velho.
No Verão tirava o casaco e mostrava sem pudor uma camisa sem cor.
Mudei de casa sem me despedir. Certa que um dia voltaria e ele estaria por lá. Afinal a esquina era dele.

Sempre pensei que os homens que dormem na rua, na rua nasceram.

Hoje quando me deito sufoco de medo. Se me tirarem o cobertor não passo deste Inverno.

17 comentários:

baal disse...

uma esquina é o que nos faz sombra.

mas lembro-me sempre de ricardo reis
'se for antes lembra-te-ás de 'mim

paladar da loucura disse...

nesta esquina morreu um homem com frio.na mesma esquina outro homem ocupa o mesmo lugar no chão. aponta-me o lugar onde podemos viver todos na rua - sem medo

baal disse...

na revolução. onde o caminho é uno.

paladar da loucura disse...

que seja a rua a casa de todos

baal disse...

morre-se de morta matada, se não fosse o capitalismo e o fascismo viviamos como homens justos.

paladar da loucura disse...

se não fosse a cobiça o abraço era somente um abraço. Um dia, Baal...

baal disse...

abraço-te. foste justa.
á luta.

paladar da loucura disse...

abraço-te Baal, nesta esquina agora minha.

baal disse...

se for sombra antes queria o ricardo reis dizer. porque não há passado nem ausência. acolho-te na revolução.

baal disse...

e o teu texto comoveu-me.

paladar da loucura disse...

querido Baal, muito obrigada.

Julio Teixeira disse...

A revolução só não se concretiza
porque a energia motora é a inveja e o ódio por quem vence pelos próprios esforços.

Julio Teixeira disse...

Além do caminho ser individual.

logo, transformar gente em rebanho vai de encontro à regra universal da evolução.

paladar da loucura disse...

O caminho é sempre individual, mesmo dentro do coletivo. É sempre um problema quando se fala em coletivo ou em caminho do indivíduo. Eu que não consigo ver um sem o outro sinto-me perdida na discussão.

João de Castro Nunes disse...

Em última análise... todos querem uma esquina só para si, a começar pelo BAAL. O mais... são tretas... para a gente se perder, como a "paladar da loucura" que, pelo visto, já não sabe de que terra é.

JCN

paladar da loucura disse...

Queres que te dê a mão para que não te percas? Já encontrei o Norte antes dessa tua sentença! E olha que não te peço qualquer contrapartida.

baal disse...

e em nome do paladar digo (sei que escrevo mal e sou repetitivo) és a minha antitese. que escritas tão bonitas.