O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Ele desejava que a sua amada estivesse morta

Se fria e morta jazesses,
E a Oeste se fossem apagando as luzes,
Virias até mim, inclinando a cabeça,
E a minha fonte em teu peito repousaria;
Murmurarias ternas palavras,
Perdoando-me, porque estavas morta:
Não te havias de levantar e partir tão apressada,
Ainda que teu seja esse querer de ave selvagem,
Ainda que saibas que o lugar dos teus cabelos
Junto às estrelas e ao sol e à lua:
Desejava, amada minha, que na terra jazesses
Sob as grandes folhas,
Enquanto uma a uma se fossem apagando as luzes.

W. B. Yeats
in Uma Antologia
Assírio & Alvim, 1996

2 comentários:

Damien disse...

Ah, quem dera ouvisse alguém tais palavras de ressuscitar mortes e friezas ...

Acontecesse isso, e talvez a luz das pétalas e a ternura do pólen de novo se exalasse nos jardins...

... arrancando-se ao silêncio decepante das palavras...

João de Castro Nunes disse...

Rendo-me, ajoelhando, perante a beleza suprema da mensagem poética... perfeita. As mãos beijo de quem poeticamente me supera. Tirou-me da boca as palavras que nunca fui capaz de encontrar para, com tanta força, expressar um sentimento idêntico e real. Nem todos chegamos a tais alturas, roçando pelas estrelas! JCN