O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 26 de setembro de 2009

Om

5 comentários:

Kunzang Dorje disse...

O Upanixade Chandogya fez desta única sílaba o símbolo do som e do cosmo inteiro. Om era a essência de tudo o que existe - Sol, Lua e estrelas. Era o brahman em forma de som, a força vital que alimentava a união de todas as coisas: «Assim como todas as folhas se mantêm juntas por meio de um caule, assim o discurso se conserva unido através do Om. Na verdade, o mundo inteiro não é mais do que Om.» Mas o canto não era simplesmente uma realidade transcendente exterior ao sacerdote que o entoava. Era também uno com o corpo humano, com o atman, a respiração, a fala, a audição, a visão e a mente.

Kunzang Dorje disse...

Texto acima citado de:
Karen Armstrong, Grandes Tradições Religiosas, Temas e Debates, p.132

baal disse...

ou será que é mo, não mo-as a malta kunzang (é piada não ofensiva). existe uma palavra inicial, para a conhecermos nada melhor do que estudarmos a cabala.
caso sejamos palestiniamos também podemos estudar a tristeza e a fome.

Kunzang Dorje disse...

Om... a essência de tudo o que existe...

A forma é o vazio e o vazio é a forma... Não será a essência a forma que é vazio, vazio esse revelado a partir da forma? O atman é o anatman e anatman é o atman... Poderíamos expor a questão desta forma? Ser e não ser... Teria afinal Hamlet enganado ao apenas cingir-se a uma opção porquanto poderia ter optado pelas duas? Ou ter-nos-íamos enganado nós mesmos, teístas e crentes da essência divina, seres agarrados a uma verdade que nós mesmos, os sem deus, dizemos ser mentira e acreditamos que o mundo afinal não passa de uma ilusão? Verdade ou mentira? Realidade ou ilusão? Será que também posso escrever a verdade é a mentira e a mentira é a verdade? Ou a realidade é a ilusão e a ilusão é a realidade? O ocidente é o oriente e o oriente é o ocidente?

Nestes últimos dias tenho (des)aprendido muito com os meus mestres-discípulos... Com o Gui, que hoje me disse que a introdução do concerto de Mozart que está a tocar é a aurora, o nascer-do-sol e, como tal, não se deve injectar no som muita energia no início mas sim gradualmente... Com a mãe da Carolina que partilhou comigo as últimas palavras do seu falecido paizinho que disse «morrer não custa nada»... Com a Sofia, meia chinesa meia portuguesa, cujo coração luso e alma chinesa me fazem sentir saudades do silêncio embutido no som Om.

Um bem-haja a todas as crianças:)

João de Castro Nunes disse...

Se eu tivese a verve do Damião, diria, gracejando à laia dos bobos, que foi do sânscrito OM que saiu o termo português (H)OMESSA. Só que "levo a vida muito a sério"! E com coisas sérias... não se brica, coisa que o Damião ainda não aprendeu. Mas há-de aprender... Questão de tempo e de serrote! Homessa, como diria o carismático bispo do Porto. Por isso... o amordaçaram! JCN