O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 29 de setembro de 2009

Eu


Das habitantes de Anaedera, dedicado em especial a SaudadesDoFuturo,

”Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada ... a dolorida ...

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo para me ver,
E que nunca na vida me encontrou!”

Florbela Espanca

5 comentários:

saudadesdofuturo disse...

Muito bonito, Anaedera, a nossa ("minha") Florbela, a sulista e habitante de uma memória fora do tempo e do espaço, saudosa, pois claro!

É. Eu tenho norte! É o meu Norte!
É. Eu não ando perdida! Eu sou a
que nunca se achou... Sou, sobretudo, aqui e não só a "agradecida" pelo seu/vosso carinho, claro!

Saudadesdesaudades

Muito grata Anaedera!

Anaedera disse...

somos o que no mundo anda perdido,
porque fora do mundo nos encontramos, e se somos vida, será sem morte, sem norte porque a bússola que nos rege será o sonho, doloridas e esquecidas ao mundo cego que ainda não vê!

Nós também somos isso.

"Somos talvez a visão que Alguém sonhou"

platero disse...

Florbeliano até dizer basta

Não só mas também por isso muito belo

a da sombra de névoa ténue....
a dos destino amargo....
a do drama da secura da charneca alentejana
a que sofre por uma gota de água...

Joana Serrado disse...

eu por acaso nunca gostei de Florbela. (Perdoem-me!) Quando devia ter lido Florbela lía Antero. é como Kafka. Quando devia ter lido Kafka lía Camus. Parece que Antero me açambarcou toda... Talvez por isso goste de ser agora, anacronicamente, uma poetizzzzza oitocentista.

platero disse...

comentei como se o soneto em vez de postado por fosse da autoria de Anaedera

O meu perdão