O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 17 de setembro de 2009

resposta(popular) a comentário de Saudades sobre poema de Kayam

de nome BOLHAS:

teus olhos são duas rolhas
de garrafas de champagne
mal a gente agita as bolhas
não há mais quem as apanhe

2 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Di-lo... quem sabe! JCN

saudadesdofuturo disse...

Platero, Platero:

AI! AI! AI!!!!
:)


Dos teus olhos, bolhas vivas de riso
vi voar, parece-me evidente que sem siso
Cala e bebe! Diz o poeta em ponderado aviso:
"la vita è troppo breve per bere del vino cattivo"*

*Verso de Omar Kayam

Beijo, vá, lá... aos dois :)