O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 29 de setembro de 2009

a serpente perdeu o veneno e a alegria, escolheu a paz dos morto-vivos.

3 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Deus o ouça, sr. BAAAL, quanto ao veneno respeita! Quanto aos "morto-vivos", o futuro... o dirá! Dê tempo ao tempo! E viva a revolução, que ainda vai no meio! JCN

saudadesdofuturo disse...

... a alegria e o veneno perderam a serpente... os mortos vivos ainda aqui estão!

Um sorriso de "eleição!" para si...muito endemoinhado deus, baálicamente!

Do resultado previsto!!!!
Saiu o que temos visto!
...

Um abraço, baal

saudadesdofuturo disse...

Menos um acento e aí é que ficava o "assento" arrumado.

É mesmo só para rectificar a palavra "baalicamente" que deixou adverbialmente de acentuar-se! (risos!)