O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 24 de setembro de 2009

fotografia de Georges Dussaud
"Vilarinho Seco, Serra do Barroso, Trás-os-Montes",
Dezembro de 1983

Sexto segredo
Morder a luz com a presença

Olhar, fazer uma ponte com os olhos, aparecer, iluminar

Riso, brilho das sobrancelhas, electricidade nos olhos, cintilação


Acender com o riso a sua luz

corpo pirilampo

SEGREDO COREOGRÁFICO PARA DANÇAR (AQUI)

A quietude é o corpo demasiado impregnado de movimento
Abra e feche os olhos, pensando que as pestanas são asas de libelinhas.
Feche os olhos e permaneça no escuro como se adormecesse.
Abra os olhos devagar e enfrente a luz.
Feche os olhos, pense numa coisa que lhe faz bem e sinta como esse pensamento chega aos lábios. Abra os olhos devagar e sinta o sorriso em toda a cara.
Escolha uma pessoa com quem possa cruzar o olhar. Fique à espera do que acontece.

In Carta Coreográfica – “O corpo como adivinha, A dança como fábula”
AGEN 2009 - ACÇÃO NACIONAL
TERRITÓRIO ARTES

6 comentários:

Laura disse...

E bom mesmo é fazer isto no meio da rua. Gostei muito.

Sereia* disse...

:)

Há segredos que, depois de revelados assim em poesia do corpo, chegam à alma e regressam em rosto de sorriso para o mundo*

Obrigada pela partilha.
Beijos*

baal disse...

bom dia miguel.

esta fotografia é uma das nossas, diria.
aqui no museu temos a recolha do serviço cívico estudantil (1975), orientado por michel giacometti. são 'espectaculares' as fotografias feitas nessa altura. os artistas (jovens estudantes) ,
o povo, e uma terra granítica e resistente.

Joana Serrado disse...

gostei da experiencia, de a fazer aqui mesmo. Um abraço Joana

saudadesdofuturo disse...

Não consigo comentar...
Um sorriso me abre em dentes a flor do riso que me sobe aos olhos.

Gosto da receita, da expressão e do poema do "corpo pirilampo" é o que sempre faço. Não fico à espera, atravesso. O sorriso em toda a cara é um reflexo iluminado da minha Alegria que é a tua Alegria, também.

Acender essa luz, no movimento brando de olhos, "libelíssimas" asas...

Rui, sorrio para si e para o post, e para tudo em tudo.

Rui Miguel Félix disse...

Boa noite amigos.
Acorre-me dizer que não há nada mais verdadeiro que o sorriso de uma criança.
Verdade exclusiva? Penso que não. Até no adulto, quando não se esquece da criança que é.


Laura, muito obrigado, e respondo, claro que sim, o bom é fazer isso, seguindo todo o protocolo (sorriso), e no meio da rua. É gratificante. Há desses sorrisos, esses que se recebem e nunca se esquecem, e por vezes, são tantos e tão ao mesmo tempo, que ficamos sem saber como sorrir, ficamos sem saber como se sorri, e sorrimos… sem saber como. Esse ou este, nesse momento, é um sorriso verdadeiro. Um abraço.

*Sereia
:) Confirmo o segredo desse grande sorriso!… saiu daí, chegou aqui, e passou para ainda além de cá, para o mundo inteiro! Valha-nos a internet! :) Abraço líquido! :)

Giacometti, um registo que desconheço, quase na íntegra, porque como muitos, é enorme. No entanto, não posso deixar de me lembrar que foi o primeiro que pela música e muita fotografia, me deu a conhecer, de certa forma, a criar uma imagem relativa a uma vasta área até então desconhecida. Giacometti, ‘sem palavras’, um grande coração. Mas já agora Baal “aqui no Museu”… Setúbal? Muito obrigado por esta lembrança. :)

Joana, como vemos, é fácil sorrir
em qualquer lugar.
Um sorriso :) e um abraço também.

“Abra os olhos devagar e enfrente a luz”… é aí que as "libelíssimas" asas nos contemplam e deslumbram ao desvelar o gracioso movimento que as adorna. É nesse momento, que o tremeluzir dos olhos, oscila por dentro do movimento… por fim, as pálpebras separam-se, devagar, e toda a luz é recebida. Por nós, por todos aqueles que acreditam que é possível sorrir, não muito de vez em quando, mas sempre. Um abraço amiga :)

Alegria precisa-se! Até a preto e branco!

Uma noite excelente para todos!
Obrigado.