O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 10 de setembro de 2009

"Uma relação entre o real e o irreal não pode ser expressa por palavras, porque tal relação é ela própria inexistente"

- Shankara, comentário a Mandukya-Upanishad.

7 comentários:

Damien disse...

A i-lusão é tanto o des-velo que nos desperta para o não haver sequer despertar, como não haver sequer tal sequer haver...

(Por isso, talvez, o real é tão delusivamente real e o ilusório tão realmente iludente...)

Damien disse...

O que eu acima disse (e o que alguém, aliás, possa dizer) é, em si mesmo, demonstração da i-relação de possibilidade de que fala Shankara.

Não se pode falar ou dizer (acto de relação, e acto relativo, portanto) do que a isso mesmo sempre se furta, porque a fala é o mesmo que se lhe furta, insolúvel e ambíguo.

A fala é a ousadia de querer exprimir o inexprimível e de nomear o sem nome.

É mesmo a extrema ousadia de conseguir porventuta silenciar o que no indizível sempre fala(cala) sem (necessidade de) palavras.

Disse nada. Falei (de) nada. Nada disse.

olivromorreu disse...

Complicaste. Tudo deve ser simples. É melhor. E percebe-se melhor.

olivromorreu disse...

O mundo/existência/real é o que é. A nossa ignorância é atroz. E chamar-lhe jogo ou i-lusão, ou o que quer que seja, mais não é que atirar barro à parede. Abraço.

Damien disse...

Qual parede??

(Mas... senti algo que se assemelhou a um mútuo avistar)

Dispenso-me, porém, de acrescentar algo mais à inútil redundância do que escrevi.

baal disse...

um mundo é um abrir de potencialidades que realizamos a uma infima escala, só a fazemos com agenciamentos, multiplicidades, no caos é que estamos bem e a única ordem que desejamos (porque é essa a nossa exigência) é a criação... tudo é fluxo e possibilidade, nem empirismo, nem transcendência.
barricadas em nome da arte e da filosofia.

frAgMentus disse...

real e irreal não são fusão?
o material e o espiritual?
o sensível e o inteligível?

relação inexistente...pk?