O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 16 de setembro de 2009


METÁFORAS

Para "saudadesdofuturo"

Metáforas... que são?... não sei dizer
de maneira concreta em que consistem
essas imagens que nos fazem ver
verdades que em verdade não existem.

Com elas se abrilhanta a Poesia
vestindo-a de roupagens vaporosas
e se lhe imprime um toque de magia
fazendo-a navegar em mar de rosas.

São símbolos, dizendo de outra forma,
graças aos quais a fala se transforma
em musicais acordes de guitarra.

São meios de expressar o inefável,
são para a vinha a respectiva parra
ou para a ilusão... a cor palpável!

JOÃO DE CASTRO NUNES

5 comentários:

platero disse...

meu caro

Mestre em sonetos, como se permite começar com um verso de 8 sílabas?
Nem parece de seu estro

Inda por cima com dedicatória a Saudades!

Meu comentário só porque aprecio a sua arte

João de Castro Nunes disse...

Grato pelo seu interesse, esclareço-o de que, por mera distração, ficou no tinteiro do computador, a última palavra do primeiro verso do poema, o qual, na sua forma correcta, e dede logo perfeita, é:

Metáforas...que são? não sei dizer

Espero me faça a justiça de metricamente ser incapaz de cometer tão grossiro erro!

Ainda bem que o meu bom amigo, com o seu meticuloso espírito crítico, deu pela circunstancial imperfeição! Estou-lhe muito grato.
"Ainda por cima", diz muto bem, com dedicatória a demonstrar apreço! Razão sobeja para não cometer erro tão imperdoável, mas já plenamente justificado
a conta de de defeituosa transcrição. A ambos... as minhas desculpas. JCN

platero disse...

Correcto, Mestre

espero releve a minha impertinência.
Continuação de bom trabalho

saudadesdofuturo disse...

Independentemente da continuação de tão brilhante e profícuo diálogo entre "discípulo" e "mestre" de tais retoques na catedral perfeita do "Sô-neto" de JCN (queira desculpar a piada), idependentemente disso, quero expressar aqui a minha gratidão pelo que entendo ser de louvar, o acerto no verso primeiro, o octassilábico e "deformado" primeiro verso... que estaria disposta a "emendar"... se para tanto me "camoneassem" versos com a mesma facilidade com que ocorrem a Vossas Excelências. (Sorriso)
Resta-me agradecer: veio-me agora à ideia um verso: (risos)

"Metáforas" que passais ao sol poente...

Hum!!! acho que não é assim!

Um abraço e um sorriso de Saudades, aos dois.

João de Castro Nunes disse...

"O CARTEIRO"

Existe em todo o homem um carteiro
que um dia se enamora de uma dama
querendp antes do mais saber primeiro
o nome que ela tem,como se chama.

Para uns é Beatriz, como a de Dante,
para outros Leonor, Laura ou Diana.
para Camões ignora-se... perante
os vários nomes com que nos engana.

Todos somos carteiros na existência
que em dada altura, sem lugar nem data,
nos vemos nessa súbita emergência.

Só que nem todos temos um Neruda
para com seus poemas na hora exacta
nos dar a sua... calorosa ajuda!

JOÃO DE CASTRO NUNES