O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 29 de outubro de 2008

in rascunhos da Serpente

4 comentários:

Paulo Borges disse...

Belo texto, Vergílio, que deixou nos rascunhos... Porque não o publica? Não se incomode com as tempestades que sacodem de vez em quando este blogue... É a Serpente a estremecer para levantar voo.

Um Abraço

Isabel Santiago disse...

Com humildade lhe peço que passe pelo Bosque. Ali, por onde teve a bondade de passar, deixei palavras para si. Porque só sei deixar palavras. E sorrisos. Um sorriso no Bosque faz um enorme eco...depois chegam as ninfas e vamos cantar poemas. Pode ser?

Vergilio Torres disse...

Paulo, Isabel, bem hajam.

Que vos abrace agora!

Cingimo-nos corações
nesse abraço salutar.
E ao partilharmos pulsações
que hoje são de imaginar
trocaremos mais que um abraço
Abrimos o Plexo Solar.

Anónimo disse...

Força, Vergílio!