O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Claustro

Ardem-te os olhos de fogo e adeus
o que derramas é da coroa
o que te cobre rosas vermelhas, ao mais fundo vale dos silêncios,
leito, sangue e hóstia no teu íntimo e único sacrário.

Ouras no templo, cálice, cripta
és o arquitecto, a espada, a cruz e a pena
e és virgem, viúva e benta.

Secreta na solidão as rosas ofereces
és a saudade na espiga
és o claustro,
e nos oito raios perdida te reencontrarás Pomba.

(entardecer, no Claustro da Catedral de Salamanca)

7 comentários:

Paulo Borges disse...

Como ansiava pela publicação deste belíssimo poema!

Bem marca o renascer da Serpente!

Grato, querida L'a!

Damien disse...

Três rosas amigas deixadas por Donis, em gratidão a Luiza, ao lado de outras tantas, vermelhas, no claustro, "vale dos silêncios"...

1.
"o que derramas é da coroa
o que te cobre rosas vermelhas"

a coroa que nos reveste
é a veste mesma que se nos derrama.

2.
"secreta na solidão"

a alma "é o claustro" de ausência no Presente presente;
o presente, a alma do Ausente, presente sempre no claustro.


3.
"perdida te reencontrarás Pomba"

buscada, perder-te-ás, alma,
condenada na ronda da vida;
achada, te acharás perdida,
no Perdido, por ti, de Amor...

Paulo Feitais disse...

E que este mundo seja inundado pelas fragrâncias dos entardeceres do Íntimo! Entardeceres sem ocaso, porque o Sol reside no centro do peito dos que se recolhem na Noite e se banham, de alma inteira, toda ela corpo e chama, na Vesica de onde brota a Aurora.
:)

saudadesdofuturo disse...

Deixe Luiza que siga com as suas palavras e pedindo humildemente delas empréstimo:

Na catedral de Salamanca, Luiza,a luz é uma coroa que se derrama no vale. O silêncio é leito sacrário, a tua palavra é uma hóstia.

Cripta e templo que nos arde
De Amor a Cruz e a pena
De Saudade.

Secretas são as rosas
A seara é um mar
no clausto
Vês da Pomba os oito raios
Perdida te reencontrarás.

Um abraço de sempre no deserto mais íntimo de nós.
Saudades

frAgMenTUS disse...

gosto tanto de te ler, Luiza...

José António Lozano disse...

Poema redondo e perfeito, Luiza. Um abraço.

Luiza Dunas disse...

Meus Caros,

Agradeço-vos a vossa partilha e gentil presença.