O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 28 de dezembro de 2008

Resposta a Cioran

A que se reduz a falta de auto-estima senão à narcísica incapacidade de se aceitar plenamente como humano e viver-se como tal, condição fundamental para então partir em direcção a uma verdadeira transcendência e não a escravidões espirituais que se fazem passar como tal?

5 comentários:

Garcia disse...

Parece que considera óbvio o que é ser-se humano... Explique então o que é ser humano, por favor.

Ana Margarida Esteves disse...

Olhe para si mesmo.

Lapdrey disse...

Ana Margarida,

Bom contributo ao debate.
Importa entretanto, parece-me, destrinçarmos desde já, clara e distintamente (como diria Monsieur Des Cartes), entre "ter-se auto-estima", "ter-se em grande estima" e "estimar-se grande".
E, por outro lado, atacar igualmente periferias de sentido tais como "amor próprio" (nos sentidos lato, restrito e próprio) e "jactância".
Ponderemos então.

Até porque está em "irritante" moda isso de considerar-se a auto-estima condição sine qua non para o ser-se "pessoa de sucesso": coisa que, em sentido próprio, quer apenas dizer pessoa a quem acontecem coisas que a tornam um acontecimento.
É um bocado "pescadinha de rabo na boca" demais para o meu gosto.
Não chega à pegada de uns belos paradoxo ou trocadilho...

Vamos lá puxar pela massa...

Garcia disse...

Não consigo olhar para uma coisa que não vejo.

Lapdrey disse...

Caro Garcia,
Se é preciso ter olhos para as coisas, mais preciso é ter um olhar único para cada uma.