O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Dança...




dança d'eternidade...o percurso da minha efemeridade

7 comentários:

interrogativo disse...

Bela foto. Mas pode a efemeridade ter um percurso? Não se extingue o verdadeiramente efémero no mesmo instante em que surge? Não será essa a condição de tudo?

nas asas de um anjo disse...

tem um percurso, sim, o da sua existencia q se pode, por vezes, eternizar; pois o tempo é uma "distentio anima" (sto agostinho).

nas asas de um anjo disse...

e não dançará o eterno no efémero?

interrogativo disse...

O que é o eterno? O que é o efémero?

nas asas de um anjo disse...

2 faces da mesma "moeda", entenda-se, existência...ainda q esta seja uma espiral de (suposta) evolução.

interrogativo disse...

Evolução? De onde e para onde?

nas asas de um anjo disse...

evolução equivalente a aperfeiçoamento espiritual, o cerne do nosso ser/acontecer/fazer/conhecer, de dentro para fora e inversamente, reside numa comunicação de mundos mais, ou menos aberta, consoante a nossa disponibilidade interior (q tb advém da aprendizagem da dor, etc).