O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Pela sugestão de um título

Lisboa, Cais do Sodré, 24 de Dezembro de 2008
2:45 am

8 comentários:

Anónimo disse...

Mas mesmo sem a "sugestão" nem título, é uma fotografia interessante.

Lapdrey disse...

Se as mãos em nós (tremendo em sua firmeza) seguirem o fluxo omnipresente do "prana" reticularmente plantado na tessitura cósmica do "akasha" em que esferas e cordas se harmonizam em sua desafi(n)ante melodia;

se o movimento do nosso corpo seguir um tal padrão, em sua mesma imprevisibilidade, através do maravilhoso caos que é o leito em que semeamos toda esta ordenação que a todo o ser e a tudo o que o não seja congrega;

se o bailado dum e doutro alcançar em nós esse ínfimo e fino fiel da balança do mais puro e extremado (des)equilíbrio, em que pulsão e repouso logrem o paradoxo impossível da valsa cósmica que beijemos a fímbria da alma dum derviche ao dançar da sua espiral de ser;

aí, nessa calma suspensa, nessa acalmia em que vamos além, aquém e ao nenhures de todo o lado, da correlação de tudo com tudo;

aí, calmo em nós, o caos alfim adormecerá naquele vórtice que é o verdadeiro avesso frenético do nosso mesmo pacificado avesso.

(Obrigado, Vergilio, pelo foto-gráfica oferenda. Uma noite caoticamente calma de exultante alacria para si, gratíssimo amigo. E para todo o ser.)

Paulo Borges disse...

Grato, Vergílio, por recordar que o Caos nunca foi caótico, antes o repouso na abertura hiante do Infinito enquanto matriz de todo o possível!

Um Abraço

frAgMenTUS disse...

adorei a foto!
com q então por Lx? :)
qto ao título...ocorre-me "espera" mas se calhar é disparatado!
bj

Anónimo disse...

Belo título! Devíamos poder pôr nomes destes aos nossos filhos - Caos Calmo - , em vez da barbárie de Manuel, Maria, João, Joana.

Anónimo disse...

tem mta piada, tem...

Anónimo disse...

caos calma...a desordem que escuto, pacificado.

a minha (in)contenção.

a tua rendição?

"não é a solidão que faz um homem sozinho, é a paz na dor que sei de cor" - pedro abrunhosa

JoanaRSSousa disse...

já é a «segunda vez» que me recomendam o filme, de forma indirecta...