O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Orgulho

«Mas o orgulho, essa paixão feroz rainha e mãe de todas as chagas sociais, opõe invencível resistência a essa conversão dos povos. O orgulho não mede a felicidade pelo bem-estar pessoal mas pela extensão dos sofrimentos que causa aos outros homens. Nem o orgulho seria o que é se não houvesse desgraçados a insultar e a tratar como escravos, se o luxo e a felicidade não fossem fruto das angústias da miséria, e se a exibição das riquezas não torturasse a indigência e lhe acentuasse o desespero. É o orgulho uma serpente do Inferno que se introduziu no coração dos homens, os cega com o seu veneno e os faz abandonar o caminho de uma vida melhor. E este réptil liga-se de muito perto à carne do homem para que seja possivel arrancá-lo.
Tomás Morus, A Utopia, Tradução de José Marinho, Guimarães editores, Lisboa

5 comentários:

O Meu Nome É Toda A Gente E Ninguém disse...

MIL citações se poderiam contra-argumentar que elogiassem o orgulho. Passando por cima da falta de fundura nas questões, a tónica deste blogue é mesmo a "missa", o querer enfiar a vossa "verdade" pelos olhos dentro dos outros. Se tudo isto que anda para aqui, por fora e por dentro, é para vocês algum remédio, para os outros, para Portugal, para o mundo (?), dá que pensar no vosso grau de alienação.

Fiquem-se pelos cuidados com os animais, esses sempre beneficiaram com corações de velhinha, e precisam, de facto, de quem os proteja da maldade humana. Nos assuntos "mundanos" não se metam. Qualquer outro que queira encontrar algum benefício na vossa experiência de vida, está bem tramado. Todos vocês (até em conjunto), não duravam um mês numa selva, num deserto, em qualquer lugar inóspito e cruel.

E já agora. Tenham a dignidade de não fazer comentários, nem largar indirectas, para quem não conhecem, e nenhum mal vos fez ou faz, e que apenas o vosso "delírio internético" transforma em inimigos.

Divirtam-se com a vossa "santidade".

Pura e Dura disse...

Enfiaste a carapuça, ó fascista!? Vai para o teu grupelho de meia-dúzia de débeis mentais que querem converter o mundo à lusofonia. Olha para o teu blogue medíocre, recreio de vaidades e egos inchados a explodir como balões em coisa nenhuma!

Kunzang Dorje disse...

Peço desculpa de ofendi alguém...não era essa a intenção... procuro simplesmente compreender a natureza humana.
Mais uma vez, fica aqui o meu pedido de desculpas.

Paulo Borges disse...

É evidente que Kunzang não dirigiu o post contra ninguém e que alguém tenha ficado melindrado, começando o comentário com "MIL" e tudo o mais que vem a seguir, é bem significativo de que na verdade enfiou o barrete até ao fundo...

Há orgulhos tão inchados que a si mesmos se picam e explodem.

João de Castro Nunes disse...

SIR THOMAS MORE

Sir Thomas More, admiro-vos acima
do próprio Erasmo, o emérito humanista
de grande espírito universalista,
por quem professo uma profunda estima.

Perante a sua eterna ambiguidade
para manter a paz a todo o preço
entre os dois campos, sem nenhum sucesso,
prefiro a vossa... verticalidade.

Fiel à vossa inabalável Fé
sem pôr em causa, como se provou,
a lealdade ao Rei que a renegou,

nada vos fez vergar, morrendo em pé
e de joelhos só... para o machado
mandar a Deus vossa alma sem pecado!

JOÃO DE CASTRO NUNES