O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 1 de setembro de 2009

Hoje, Aniversário de Raul Leal, vertiginoso pensador da Vertigem - da Maria para o Dirk



"A um de Setembro de ....nasceu este homem, este vertiginoso pensador e "profeta". Nasceu este demoníaco construtor de ideias maiores do que o tempo e incontíveis numa pátria e muito menos na pátria mental. Alucinado, deslumbrado com o fogo apaixonado da velocidade do pensamento e embriagado pela vinha que um discurso que conhece a terra e aspira ao céu produz, é prestar-lhe uma justa homenagem. Celebrá-lo é orlar os nossos dias das suas profecias, mas é igualmente, neste dia, provar desse vinho espiritual, erguer a taça cheia de ideias-vertigens que são uma colheita rara nas terras e nas taças de Portugal. Viva Raul Leal!"

- Maria

23 comentários:

Rasputine disse...

Este foi dos bons. Maluco até dizer chega!...

Virgem Maria disse...

Abaixo o pervertido!

Maria Sarmento disse...

“Ora ela é pura, absoluta, existindo puramente, absolutamente, e o seu existir é um teometafísico manifestar-se infinito, infinitamente puro, evidente, berrante, bestial. E esse manifestar-se, cheio de berrantismo e bestialidade, é o próprio Mundo, metafísico berrante, metafísica Besta, e é também a Luxúria por se tratar de puro, de bestial manifestar-se de Vertigem. Na luxúria existe a Besta e existe a Vertigem, delírio, loucura espiritual dos Céus. Portanto a Luxúria é Obra de Deus!
Nela há a bestialidade do Manifestar-se Divino que é o Mundo—Verbo, e há a loucura delirante do Infinito que é a Vertigem. Essa é do Infinito, de Deus essência espiritual, a Sua própria divindade, o Seu Espírito Santo e portanto na luxúria divinizada através do Mundo-Verbo divino Manifestar-se puro, berrante, bestial - há bestial Carne-Espírito delirantemente em Vertigem e em Ânsia. No Infinito também a Ânsia existe porque sendo Indefinido puro, e assim se sentindo, é um eterno procurar definir-se, um eterno procurar-se  anímico, ansioso.”

(Raul Leal - "Sodoma Divinizada...")

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kunzang Dorje disse...

"Aos artistas compete sobretudo criar um ambiente em que se sinta imediatamente Deus em toda a sua bestialidade formidavelmente luxuriosa."

Kunzang Dorje disse...

Tratemos, pois, de saber tornar a vida numa arte... na arte de viver.

Viva!

Teixeira de Pascoaes disse...

Que o teu espírito seja nuvem quimérica, universal, abrangendo, conhecendo, alumiando tudo, mas intangível, a fim de que nada e ninguém o possa possuir!

Saúde!

Maria da Luz disse...

A ti Raul roubo sorrisos para a mais pura alegria! Vivas ao profeta que abre vertigens no peito de quem ousa mais que a vida sem rasgos de ironia.

Kunzang Dorje disse...

"Tudo é infinito, só o Infinito existe, só existe Deus, nada se pode pois determinar, possuindo pois tudo uma natureza imprecisa que se escapa de nós quando a procuramos agarrar pela razão determinadora, e deste modo se tudo é metafisicamente ou teometafisicamente impreciso, incerto é que tudo tem a Vertigem por essência."

Sodoma Divinizada

Kunzang Dorje disse...

"Bela é a bestialidade dos bailados russos, da Walkiria ou do Parsifal, sendo maravilhosamente sagrada e expressa nas formas horrendas das catedrais góticas, na pompa berrante, brutal da Igreja e enfim em muitas obras e atitudes dos místicos medievais - Porventura estes atingiriam a grandeza atingida se o seu misticismo não se cobrisse de bestialidades divinas? É que a bestialidade nesse caso é a pura, a berrante, brutal manifestação do espírito de Deus.

Kunzang Dorje disse...

A bestialidade divina mística evocada por Raul Leal recordou-me outro tempo e outro espaço, o do Padre António Andrade, no século XVII aquando da sua visita, a primeira efectuada por um ocidental, ao Tibete. Diz ele numa carta:
"Quando rezam costumam a tanger com trombetas de metal, mas entre elas usam cada dia de outras feitas de braços e pernas de homens mortos. Usam também muito de contas feitas de caveiras e, perguntando-lhes eu a razão deste costume, respondeu o lama irmão del-Rei que usavam das ditas trombetas quando faziam a oração a Deus para que, ouvindo-as a outra gente, viesse em conhecimento de que muito cedo havia de vir a ser e, que, pela mesma razão, rezavam por contas de ossos de mortos e bebiam por caveiras como por corpos, posto que não tão de ordinário, para que não fosse menos frequente a lembrança da morte que costuma concertar e ordenar a vida (...) e o beber pelas caveiras lhes servia de gostarem menos das cousas da vida, antes lhe ficavam assim servindo mais de triaga espiritual pera as almas contra os vícios e as paixões da carne que de sustentação corporal pera os corpos."
Segundo o professor António Teixeira, autor de um artigo denominado "A Descoberta do Budismo Tibetano pelos Jesuítas portugueses no Séc. XVII" que se pode ler no livro "O Buda e o Budismo" da editora Ésquilo, livro esse organizado por Paulo Borges e Duarte Braga, os "ornamentos rituais feitos de ossos, os ru gyen, e as taça de caveira, as tho phor, afiguram-se-nos importantes por serem, segundo cremos, as primeiras descrições de elementos simbólicos do budismo tântrico." Mais adiante, António Teixeira escreve que estes símbolos de impermanência e morte, pela bestialidade que denotam, têm a força suficiente para "redireccionar a mente do ser humano para a necessidade urgente de uma vida de prática de amor, de compaixão, de alegia e de imparcialidade."
Sentemo-nos, pois, em cemitérios e dancemos sobre cadáveres, sobre o nosso principalmente, para que despidos de véus do desejo amemos o mundo imparcialmente, unidos com ele na graça de ... a(Deus)...

Siddha disse...

Isso! Dancemos sobre os nossos cadáveres, sexo no sexo, boca na boca! Ressuscitemos dos mortos, ressuscitemos os mortos, já!

Álvaro Maia disse...

Senhores meus, nunca eu me vi em tamanha atarantação!...
Aqui muito à puridade lhes confesso, coração nas mãos, pena emperrada e hesitante, que não sei como demónio hei-de começar este artigo e, - o que é muito pior! - nem mesmo chego a decidir comigo se o devo ou não lançar à publicidade...


Ó Deus do Céu! fica para mais tarde... estou agoniado... vou já sair daqui

Maria da Luz disse...

Vai, vai querido! Que ainda tens muito que aprender...

Teotónio Pereira disse...

nós trabalhadores do espírito e soldados da ciência havemos de salvar portugal. A situação de portugal é desgraçada. Profundamente e totalmente. De dia para dia o mal é mais fundo e avassalador. Esperai por nós... ó seus, peseudofilósofos extravagantes.

Maria da Luz disse...

Vai mas é estudar, seu jovenzinho herético puritano!

Anónimo disse...

e a Maria da Luz com cento e tal anos, já aprendeu alguma coisa?

corrector hortográfico disse...

ó teo tónio, atão tu tás na faculdade e nã sabes escrever pseudo-filósofos? Ralmente precisas mensmo de estudar, pá!

dh disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
dh disse...

Maria e Paulo

Obrigado pela lembrança.
Raul Leal: filósofo de hoje e de sempre.

Somente anjos verdadeiros (pretos e brancos) dormem de pijamas douradas.

Paulo Borges disse...

Foi a Maria que se lembrou. Tiveste a mesma dedicatória na Nova Águia.

Abraço!

Maria da Luz disse...

Caro anónimo, Nada! Serei uma eterna estudante à Luz do dia; à Luz da noite… sou espectadora, oh, adoro a Lua!, florestas, cemitérios, espectros, casas assombradas e coisas afins…

Olá, Dirk!
Quais pijamas dourados!? Os anjos modernos já não usam nada dessas coisas... e está muito calor! :)

anjinha antiquada disse...

eu cá gosto de dormir com um pijama de seda preta