O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 2 de setembro de 2009

440 anos após a morte de Pieter Bruegel




"Se um cego guia outro cego, os dois caem num buraco"




(Pieter Bruegel: um outro pintor da vertigem humana)

7 comentários:

Rasputine disse...

Muitos já caíram neste blog. E amontoam-se em putrefacção.

buraquinho disse...

Há 440 anos que isto é assim! Ou mais!!

Tudo dentro do buraco de Bruegel!
Há tanta cegueira no mundo que já não há buraco que chegue!

João de Castro Nunes disse...

A solução... é acabar com a cegueira! JCN

Maria Sarmento disse...

... já que com os buracos... não vejo como!

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João de Castro Nunes disse...

Ainda bem que assim pensamos todos! É já meio caminho percorrido, deixndo o resto para Deus.

João de Castro Nunes disse...

É o comboio? Não façam isso ao ceguinho!... JCN